PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Mulher vai para fim da fila no ABC e culpa site: "Não escolhi vacina"

Gheisa Lessa, 30, não conseguiu se vacinar em São Bernardo (SP) e culpa site - Arquivo pessoal
Gheisa Lessa, 30, não conseguiu se vacinar em São Bernardo (SP) e culpa site Imagem: Arquivo pessoal

Lucas Borges Teixeira

Do UOL, em São Paulo

23/07/2021 16h01Atualizada em 23/07/2021 22h01

A publicitária Gheisa Lessa,30, teve uma surpresa ingrata ao tentar se vacinar contra a covid-19 na semana passada em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo. Segundo ela, houve um problema no portal da prefeitura ao fazer o cadastro, ela não foi informada do seu agendamento e perdeu o horário. Agora, deverá ir para o fim da fila.

A prefeitura diz que a falta no dia agendado "automaticamente coloca a pessoa no final da fila" até apresentação da explicação e que, se ela tivesse ido no mesmo dia (16), teria sido vacinada.

No começo de julho, a cidade estabeleceu que quem se recusar a tomar a vacina disponível no horário agendado só terá uma nova chance depois que toda a população adulta for contemplada. A medida, segundo anunciou o prefeito Orlando Morando (PSDB), se deu para evitar os "sommeliers de vacina" —quem escolhe qual vacina quer tomar.

Lessa, que ainda não foi vacinada, diz que não escolheu vacina e atribui a culpa ao portal da prefeitura. Na quarta-feira da semana passada (14), ela diz ter entrado no site para realizar o agendamento. Fez o cadastro com o CPF e pediu um horário para a sexta-feira seguinte (16), quando abriria a imunização para a idade de 30 anos.

"Mas, depois de apertar o 'Gravar', a tela ficou em branco e eu não consegui fechar meu horário. Deu erro. Então, eu fui trabalhar e, na sexta, quando eles reabriram a possibilidade de agendamento, eu já fui tentar me inscrever, mas apareceu que meu CPF estava agendado", conta a publicitária.

O problema: seu agendamento estava previsto para as 14h do dia 16, mas ela só teve acesso a essa informação no sistema às 18h30 daquele dia. "Não tive essa confirmação, nem recebi email ou SMS, nada. Na minha cabeça, eu achava que ia fazer o agendamento para segunda [19], mas não deixaram."

Lessa foi ao Ginásio Poliesportivo do Riacho Grande, local indicado pelo portal, na segunda e, lá, foi informada que não poderia se vacinar pois havia perdido o horário. "Eles falaram que era só segunda dose e eu iria para o fim da fila. Eu falei que não estava recusando vacina, mostrei meu papel de agendamento, mas disseram que eu não tinha como provar que foi falha do sistema", conta.

Uma possível solução seria escrever uma carta a mão explicando a situação. Ela redigiu e deixou na UBS (Unidade Básica de Saúde) Planalto, a mais próxima à sua casa, no mesmo dia. O prazo mínimo para resposta era de 48 horas, informaram. Hoje, pela manhã, ela foi informada que o pedido havia sido indeferido e que ela precisaria falar com o enfermeiro responsável.

Lessa diz que teve de ir à UBS mais uma vez à tarde e, ao conversar com o responsável, descobriu que o documento ainda nem havia sido enviado e que, segundo ele, não há prazo para resposta. O UOL tentou entrar em contato com a unidade por telefone, mas não teve sucesso.

Na UBS, ela diz ainda que funcionários falaram que este problema havia acontecido com outras pessoas por diferentes motivos. "Disseram que todo dia tem de dez a 15 pessoas que vão lá com esse tipo de problema e também são recusados. Pessoas que têm problema até por terem errado digitação", afirma.

Lessa reclama que, independentemente do motivo, deveria haver algum mecanismo alternativo de avaliação e que "seja erro do sistema ou de digitação, coisas assim, não deveriam punir as pessoas".

"Eu estava lá já no dia útil seguinte, mostrando que não era problema de vacina, falando que nem precisava ser informada qual eu tomaria. Quando saiu a notícia [do decreto de fim da fila], eu falei: que legal, vai agendar para não gerar aglomeração. Mas atrapalhar por causa disso? Eu não sou negacionista de vacina. Tomo a que tiver, não quero escolher, só quero ser vacinada", lamenta.

O que diz a prefeitura

Ao UOL, a Prefeitura de São Bernardo a falta no dia agendado "automaticamente coloca a pessoa no final da fila, até que ela se apresente em uma UBS para solicitar a exclusão do cadastro, com documentos que justifiquem a ausência".

Segundo a administração, desde o dia 1º de julho, houve 2.525 pedidos de revisão e 2.094 foram deferidos. "Os demais não foram excluídos porque não comprovaram o motivo da ausência", diz a nota.

"No caso relatado, se a moradora tivesse comparecido no dia agendado ao posto de vacinação (16/7), mesmo que em outro horário de atendimento, teria sido vacinada normalmente", afirma a prefeitura.

Ainda segundo a administração, "no sistema, o cadastro da moradora consta como efetuado sem nenhum erro de emissão", a solicitação de exclusão foi cadastrada no sistema e "passará por análise".

Coronavírus