PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
15 dias

Homens que viviam com porcos são resgatados de trabalho escravo no CE

Trabalhadores conviviam com criação de porcos e não tinham energia nem água encanada - Reprodução/ MPT 7ª Região
Trabalhadores conviviam com criação de porcos e não tinham energia nem água encanada Imagem: Reprodução/ MPT 7ª Região

Do UOL, em São Paulo

28/09/2021 15h29Atualizada em 28/09/2021 15h29

Nove trabalhadores que viviam junto a porcos foram resgatados em situação de trabalho análogo à escravidão no interior do município de Granja, na região norte do Ceará. Eles trabalhavam na extração de palha de carnaúba e foram localizados em operação do MPT (Ministério Público do Trabalho).

Todos eles estavam alojados em uma casa abandonada sem energia elétrica, água potável encanada e instalações sanitárias. O convívio era em meio aos porcos e suas fezes. A equipe fiscalizadora também constatou que nenhum deles possuía contratos de trabalho registrados, nem banheiro ou materiais de primeiros socorros. A inspeção foi feita na última semana.

No local, não havia a existência de dormitório adequado, já que os homens dormiam em redes na parte externa da casa e embaixo de um cajueiro, perto de onde vivem os animais.

foto 1 - Reprodução/ MPT 7ª Região - Reprodução/ MPT 7ª Região
Homens percorriam mais de dois quilômetros para buscar água para consumo
Imagem: Reprodução/ MPT 7ª Região

A cozinha dos trabalhadores estava improvisada no chão com pedras e a água disponível ficava a dois quilômetros da casa abandonada, armazenada de forma inadequada e com material de reutilização proibido.

Após o resgate, o MPT rescindiu de forma indireta os contratos de trabalho com a retirada imediata dos homens na localidade, garantindo a eles pagamento de verbas rescisórias e dos demais direitos trabalhistas. Os resgatados também receberão três meses de seguro-desemprego.

Em outras localidades na região, responsáveis pelo processo da extração da palha da carnaúba, a força-tarefa novamente constatou a presença de trabalhadores sem registro e sem utilização de EPIs (equipamentos de proteção individual).

Cotidiano