UOL EconomiaUOL Economia
UOL BUSCA

20/06/2007 - 16h10

Brinquedo importado da China vai ficar mais caro, diz analista

Pequim, 20 Jun (Lusa) - Analistas prevêem que a redução dos incentivos à exportação de diversos produtos, anunciada pela China nesta quarta-feira, deverá elevar os preços para os consumidores estrangeiros, principalmente de produtos como roupas e brinquedos.

A partir de 1º de julho, Pequim vai reduzir ou acabar com os incentivos à exportação de mais de 2,8 mil produtos como brinquedos, roupas, produtos de aço, cimentos ou fertilizantes, anunciou o Ministério das Finanças da China em um comunicado em sua página na internet.

Li Yushi, vice-diretor da Academia Chinesa de Comércio Internacional e Cooperação Econômica, citado pela televisão chinesa CCTV, considerou que os exportadores de produtos com pequenas margens de lucro, como roupas e brinquedos, vão enfrentar pressões para subir os preços.

"É difícil prever o impacto nos preços porque as empresas terão que negociar com os respectivos compradores, mas é certo que os preços subirão devido ao aumento dos custos", disse Li.

Segundo Stephen Green, do banco Standard Chartered, o montante afetado por esta medida é menos de 5% do comércio total da China com o exterior.

"Num mundo ideal o governo gostaria de fazer mais, mas tem que seguir esta linha tênue porque estas indústrias estão criando emprego", considerou Green.

Excedente comercial

Com esta medida, as autoridades pretendem reduzir o crescimento excessivo das exportações, reduzir os atritos com os parceiros comerciais e controlar as indústrias de alto consumo energético, diz o ministério.

Pequim pretende ainda reduzir o excedente comercial chinês, que subiu 83,2% nos cinco primeiros meses de 2007 em relação ao mesmo período do ano anterior, de acordo com dados do governo divulgados no início de junho.

O desequilíbrio da balança comercial já levou a União Européia e os Estados Unidos a introduzirem tarifas e outras medidas para tentar reduzir o déficit comercial com a China.

Washington acusa ainda Pequim de manter a moeda local artificialmente baixa para aumentar a vantagem competitiva dos seus produtos chineses nos mercados internacionais.

Shopping UOL