UOL EconomiaUOL Economia
UOL BUSCA

26/08/2007 - 19h12

Macau inaugura nesta terça-feira o maior cassino do mundo

Macau, China, 26 Ago (Lusa) - As salas de jogo de Macau terão dificuldade em competir com o Venetian, casa que terá o maior cassino do mundo, disse neste domingo o presidente da Las Vegas Sands, Sheldon Adelson.

Com inauguração marcada para terça-feira, o Venetian, construído em aterros entre as ilhas da Taipa e de Coloane, ocupa uma área coberta de 976.000 metros quadrados - cerca de 150 campos de futebol. Edifício será o maior da Ásia e o segundo maior do mundo.

O complexo tem 3.000 quartos, cerca de 350 lojas, restaurantes, áreas de convenções e exposições e um teatro de 1.800 lugares que hospedará uma companhia residente do Cirque du Soleil.

Com um investimento nesta primeira fase de cerca de 1,8 bilhão de euros (R$ 4,8 bi), o projeto completo, que integra 14 hotéis e 14 cassinos, além de áreas de lazer, vai obrigar a um investimento de 9 bilhões de euros (R$ 24 bi) e deverá estar concluído em 2010.

Já nesta primeira etapa, o Venetian terá o maior cassino do mundo com 871 mesas e 3.400 slot machines. Porém, quando o complexo estiver concluído, serão cerca de 2.900 mesas e 16.000 slot machines distribuídas por hotéis que ostentam nomes como Sheraton, Four Seasons, Hilton, Conrad, que vão abrir portas a mais 20.000 quartos num parque hoteleiro que atualmente alberga cerca de 14.000.

Dois dígitos

Com 26 cassinos em funcionamento 24 horas por dia, Macau continua assistindo a crescimentos acima dos dois dígitos das receitas das salas de jogo.

Entre janeiro e julho de 2007, as receitas brutas do setor do jogo totalizaram 44.500 milhões de patacas (cerca de 4,4 bilhões de euros R$ 11,7 bi), o que traduz um aumento de 46% em relação aos primeiros sete meses de 2006.

A Administração cobra 35% de impostos diretos e cerca de 4% de impostos indiretos sobre as receitas brutas dos três operadores licenciados e das três subconcessões autorizadas.

"Difícil competir"

Em entrevista à Agência Lusa, Sheldon Adelson, um dos homens mais ricos do mundo, sublinhou que as facilidades disponíveis e a serem disponibilizadas no complexo vão colocar dificuldades aos cassinos na península de Macau já que é "difícil competir" com os novos projetos.

"Antigamente as pessoas vinham a Macau para jogar e hoje possuem muitas razões para ficarem", assinalou Adelson ao salientar que Macau dispõe de infra-estruturas fora do universo do jogo capazes de atrair visitantes ao território, embora reconheça que a cidade vai continuar a receber pessoas que entram apenas para ir ao cassino.

"A cidade terá como que dois pólos. Um na península mais dedicado aos visitantes de um dia e outro no Cotai [local onde está o Venetian] para quem quer ficar mais tempo", disse.

Sampras x Federer

Sheldon Adelson, que em 2004 quebrou o domínio de Stanley Ho no setor do jogo em Macau ao abrir o cassino Sands, que ainda ostenta o título de maior cassino do mundo com cerca de 740 mesas, acrescentou também que a sua empresa vai continuar a promover grandes espetáculos em Macau, iniciados em julho com a viagem do Manchester United ao território.

Em outubro, haverá jogos de basquetebol com equipes da NBA e, em novembro, um jogo de tênis entre Pete Sampras e Roger Federer na Arena do Venetian, que tem capacidade para 15.000 pessoas.

A família de Stanley Ho, que além da Sociedade de Jogos de Macau dominada pelo magnata tem a filha Pansy associada aos americanos da MGM e o filho Lawrence com os australianos da PBL, domina o setor em número de salas e de receitas, mas o mercado conta ainda com cassinos da Las Vegas Sands, Galaxy Resorts, com capitais locais e de Hong Kong, e do norte-americano Steve Wynn.

Shopping UOL