! Crise da Varig faz TAM dobrar participação em vôos internacionais e abre lugar para Gol e BRA - 12/09/2006 - Valor Online
UOL EconomiaUOL Economia
UOL BUSCA


Últimas Notícias


12/09/2006 - 16h07
Crise da Varig faz TAM dobrar participação em vôos internacionais e abre lugar para Gol e BRA

SÃO PAULO - A TAM está, cada vez mais, se firmando como a principal beneficiada pela crise que quase levou a Varig à falência. Ontem, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) anunciou participação de 54,5% da TAM no mercado de vôos internacionais. Há um ano, a empresa tinha apenas 20,5% desse mercado, então dominado pela Varig.

Além disso, o perfil do setor de viagens internacionais mudou radicalmente no país após a crise da Varig. Antes virtualmente dominado por apenas duas empresas, hoje o setor tem a participação de quatro competidores, já que Gol e BRA aumentaram cerca de 10 vezes sua fatia dos vôos para o exterior.

Hoje, o mercado internacional tem a TAM na liderança, seguida pela Varig, que, ao manter algumas das principais rotas para a Europa, os EUA e a América do Sul, se manteve com 21,64%. Há um ano, a Varig tinha 76,06% desse setor.

A grande mudança, porém, foi a entrada das duas companhias até então regionais no setor de viagens internacionais. A BRA, que iniciou vôos para a Europa durante a crise da Varig ao receber duas aeronaves de para vôos de longa duração, passou de 1,79% de participação no ano passado para 12,5% neste ano. A Gol, que concentra sua operação internacional em vôos na América do Sul, operadas com aviões menores, mais econômicos e com alcance mais curto, foi de 1,37% para 10,75% do mercado.

Hoje, portanto, apesar da larga diferença na liderança da TAM em relação às outras empresas, o mercado está mais distribuído, com quatro empresas e menores fatias.

Depois de anos de gestação, a crise financeira e de gestão da Varig finalmente estourou há três meses, levando a companhia a cancelar vôos e devolver aviões por falta de pagamento de parcelas de financiamento vencidas. Com isso, milhares de passageiros da companhia no Brasil e no exterior enfrentaram sérias dificuldades para viajar.

Assim, após semanas de caos e filas imensas nos aeroportos, e a decisão da empresa de se concentrar em uma malha reduzida de vôos, a Anac começou a redistribuir as rotas não mais operadas pela Varig. Essa medida beneficiou todas as companhias, não apenas no setor internacional, mas também no doméstico.

Por conta disso, a participação da empresa nas linhas domésticas passou de 25,02% em agosto de 2005 para 2,21% no mês passado. Os 22,27 pontos percentuais de diferença foram praticamente totalmente divididos entre Gol e TAM, cujas participações passaram, respectivamente, de 26,64% para 37,35% e de 41,78% para 51,34%.

(José Sergio Osse | Valor Online)