UOL EconomiaUOL Economia
UOL BUSCA

05/10/2006 - 17h43

Mercados: Ibovespa sobe aos 37.976 pontos, no maior nível desde o final de maio

SÃO PAULO - A Bolsa de Valores de São Paulo voltou a fechar em alta nesta quinta-feira, com o Ibovespa atingindo a maior pontuação desde o final de maio deste ano. A recuperação de papéis com importante peso na composição do índice e a melhora nos pregões em Nova York no final do dia deram suporte para o desempenho positivo.

O Ibovespa subiu 0,60%, aos 37.976 pontos, no maior patamar desde o fechamento do dia 29 de maio, quando marcou 38.145 pontos. Ao longo da sessão de hoje, o principal índice do segmento acionário brasileiro oscilou da mínima de 37.623 pontos à máxima de 38.204 pontos. O volume financeiro somou R$ 2,67 bilhões.

Na avaliação do gerente de renda variável da Concórdia Corretora de Valores, Romeu Vidali, houve uma mudança de humor para melhor nos mercados de renda variável, tanto no cenário interno como no ambiente internacional. O profissional aponta que os volumes registrados ontem (R$ 3,18 bilhões) e hoje são característicos de uma alteração de rumo. "Há compradores entrando", estimou.

Tal melhora no clima do segmento abriu espaço para a recuperação geral das ações negociadas na Bovespa, com destaque para papéis "líderes" que haviam caído muito na semana passada, observou. Entre eles, vale citar as preferenciais classe A da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), que subiram 1,76%, a R$ 41,62, hoje, ajudadas particularmente nesta sessão por um noticiário corporativo favorável à empresa.

A Vale anunciou hoje a aprovação pela Comissão Européia sob o EC Merger Regulation, à sua oferta para a aquisição de todas as ações da Inco Limited (Inco). A mineradora também inaugurou nesta quinta-feira o Projeto Brucutu, que, conforme a companhia, é o maior complexo mina/usina em capacidade inicial de produção implantado no mundo.

As ações da Petrobras, por sua vez, mostraram volatilidade, acompanhando as oscilações dos preços dos contratos futuros de petróleo. As preferenciais da estatal chegaram a influenciar positivamente o Ibovespa, mas a redução da alta nas cotações da commodity acabou enfraquecendo o papel, respingando também no índice. Petrobras PN fechou com queda de 0,02%, a R$ 40,10.

As ações de empresas de siderurgia e bancos listadas no Ibovespa também mostraram ganhos expressivos nesta jornada. Os papéis ON da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) subiram 3,16%, a R$ 63,95 - a segunda maior alta do índice. As preferenciais da Acesita ganharam 2,99%, a R$ 43,65. Itaubanco PN aparece na seqüência, com acréscimo de 2,87%, aR$ 70,38.

Vale citar ainda Usiminas PNA, com alta de 2,57%, a R$ 69,29; Bradesco PN, com aumento de 2,07%, a R$ 77,35; e Unibanco Unit, com avanço de 1,62%.

Em Wall Street, após uma abertura mais fraca, decorrente de movimentos de realização de lucros, os principais índices acionários fecharam valorizados. O indicador Dow Jones subiu 0,14%, aos 11.866,69 pontos - renovando sua marca histórica de pontuação - e o índice S & P 500 subiu 0,22%, aos 1.353,22 pontos. Dados corporativos deram fôlego aos pregões americanos nesta jornada.

Também nesta quinta-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que a produção industrial brasileira aumentou 0,7% em agosto na comparação com um mês antes, em termos dessazonalizados. Foi o segundo resultado positivo consecutivo. Relativamente ao oitavo mês do ano passado, houve crescimento de 3,2%. Nos últimos 12 meses, a elevação registrada é de 2,2%.

(Paula Laier | Valor Online)

Shopping UOL