UOL EconomiaUOL Economia
UOL BUSCA

13/10/2006 - 19h21

BAE vende todas as ações da Airbus para a EADS, que se torna única acionista da fabricante de aviões

SÃO PAULO - A britânica BAE Systems concluiu hoje a venda das ações remanescentes que tinha da fabricante de aviões Airbus. Elas foram compradas pela EADS, que agora tem o controle total da companhia.

Ao todo, a BAE vendeu sua participação de 20% na Airbus pelo valor de US$ 3,45 bilhões. A operação foi concluída após 27 anos da entrada da britânica no consórcio que controla a fabricante de aviões. Agora, através da EADS, França e Alemanha são donas da empresa.

O primeiro anúncio de que a BAE estava disposta a sair da Airbus foi feito em abril deste ano. Em negociação com a EADS, as duas empresas não chegaram a um consenso sobre o preço. Assim, a BAE teve que exercer uma opção de venda das ações que detinha.

O valor conseguido pelo negócio ficou bastante abaixo daquele pedido inicialmente pela BAE por seus papéis. A diretoria da empresa, porém, decidiu ir adiante com o negócio por prever sérias dificuldades no médio prazo para a Airbus. No início deste mês, os acionistas da BAE, em uma assembléia geral extraordinária, se mostraram extremamente favoráveis à operação.

"A BAE Systems anuncia que completou hoje a venda de suas ações da Airbus Shareholding", afirmava o breve comunicado da EADS sobre o negócio. A Airbus enfrenta, há mais de um ano, sérias dificuldades com seu projeto mais ambicioso, o do superjumbo A380.

A um custo de cerca de 12 bilhões de euros, o projeto já enfrentou três significativos atrasos no prazo de entrega por conta de falhas no projeto, na instalação de componentes do avião e pela falta de experiência da equipe de montagem. Os problemas já custaram o cargo de dois executivos-chefes da Airbus e de um co-executivo-chefe na EADS.

Por conta dos atrasos, a empresa perdeu credibilidade e deve se ver obrigada a pagar multas e compensações de centenas de milhões de dólares às companhias que compraram o avião e vão receber as aeronaves com mais de um ano de atraso.

(José Sergio Osse | Valor Online, com agências internacionais)

Shopping UOL