UOL EconomiaUOL Economia
UOL BUSCA

06/11/2006 - 15h10

Companhia aérea britânica Ryanair registra aumento de 39% em seu lucro líquido no primeiro semestre

SÃO PAULO - Com um crescimento de 23% no tráfego de passageiros em relação ao ano passado, a companhia aérea de baixo custo britânica Ryanair anunciou hoje um aumento de 39% em seu lucro líquido no primeiro semestre do ano, encerrado em setembro. No total, o ganho da empresa foi de 329 milhões de euros e o número de passageiros transportados foi de 22,1 milhões.

O faturamento total da companhia cresceu 33% para 1,256 bilhão de euros no semestre. Já os custos da companhia cresceram 7,5%, com o gasto com combustíveis aumentando 42% para 337 milhões de euros no período.

No primeiro semestre fiscal de 2005, a Ryanair registrou tráfego de 18 milhões de passageiros, com faturamento de 946 milhões de euros. Isso garantiu um lucro líquido no período de 237 milhões de euros.

Ainda assim, mesmo com o custo mais alto dos combustíveis, a Ryanair registrou alta de 1 ponto percentual em sua margem após pagamento de impostos, para 26%.

"A Ryanair conseguiu novamente obter lucro semestral recorde apesar da intensa competição e dos preços muito altos dos combustíveis. O modelo de baixa tarifa da Ryanair repetidamente prova que pode gerar lucratividade crescente e crescimento significativo no número de passageiros ao longo das difíceis condições de negócios enquanto muitos de nossos competidores lutam para obter lucros ou perdem margem", disse o executivo-chefe da Ryanair, Michael O´Leary.

O executivo lembrou ainda da oferta realizada pela Ryanair pela irlandesa Aer Lingus, em outubro. Na ocasião, a companhia adquiriu 19,2% do controle da irlandesa a um custo de 254 milhões de euros.

"Acreditamos que há oportunidades significativas com a combinação do poder de compra da Ryanair e da Aer Lingus, para reduzir substancialmente os custos operacionais, aumentar a eficiência e repassar essa economia na forma de passagens mais baratas aos consumidores da Aer Lingus", disse O´Leary.

Segundo ele, caso a oferta de 1,58 bilhão de euros não seja aceita pela maioria dos acionistas da Aer Lingus, a Ryanair quer continuar sendo uma acionista minoritária para poder influenciar a companhia a reduzir custos e tarifas como posicionamento estratégico para melhoras nos resultados.

(José Sergio Osse | Valor Online)

Shopping UOL