PUBLICIDADE
Topo

França crê que Covas está no 2º turno e vê Russomanno como "BolsoDoria 2"

Márcio França participa de entrevista no SBT - Reprodução/SBT
Márcio França participa de entrevista no SBT Imagem: Reprodução/SBT

Do UOL, em São Paulo

23/10/2020 18h20

Ex-governador do estado e candidato à Prefeitura de São Paulo, Márcio França (PSB) disse acreditar que Bruno Covas (PSDB) estará no segundo turno, durante entrevista ao SBT, na tarde de hoje.

"Aqui, em São Paulo, uma das vagas está preenchida com o prefeito atual. A outra vaga vai ser disputada por mim, pelo PT, [por Guilherme] Boulos e [Celso] Russomanno. As pessoas têm que ver quem tem mais experiência e está preparado para ser prefeito de São Paulo", disse França.

Atualmente, França aparece em quarto lugar, com 10% de intenções de voto, segundo pesquisa divulgada pelo Instituto Datafolha na noite de ontem. Covas está numericamente à frente, mas em empate técnico técnico com Celso Russomanno (Republicanos), dentro da margem de erro. Guilherme Boulos (PSOL) surge em terceiro.

"Claro que é pouco [estar em quarto lugar nas pesquisas], mas as eleições não são para agora, são para frente", argumentou.

Chamado de comunista na campanha para o governo de São Paulo, em 2018, França apareceu em foto ao lado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em agosto, em evento de inauguração de uma ponte em São Vicente (SP), o que frustrou apoiadores e aliados políticos.

Perguntado por "qual banda o senhor toca?", França riu e desconversou.

"Dessa vez me enfiaram para ser Bolsonaro. O que aconteceu? A minha esposa tem descendência libanesa. Quando houve a explosão [de substâncias químicas em porto de Beirute] no Líbano, ela decidiu arrecadar roupas e alimentos para levar para Beirute. Aí pedi para que o [Paulo] Skaff arrumasse... o Skaff colocou o Bolsonaro, que é presidente da República. Quem ia mandar o avião para Beirute seria o presidente. Acho isso meio canseirinha. Posso ter gostado dele [Bolsonaro] ou não, mas ele é o presidente", reclamou França, mas sem responder a pergunta feita pelo jornalista.

França também aproveitou o tema para chamar Celso Russomanno de "BolsoDoria 2", em referência ao jargão utilizado João Doria na eleição passada. Assim como Doria, Russomanno também tem usado a imagem de Bolsonaro para alavancar apoio de parte do eleitorado na capital paulista.

"Na última eleição, Doria botou que eu era 'Márcio Cuba', ele era o 'BolsoDoria'. Eu falei, 'é mentira, ele é BolsoDele'. Bem, chegou nessa eleição... na verdade, Bolsonaro seria o Russomanno, e já é 'BolsoDoria 2'. É só esperar que Russomanno será o 'BolsoDoria 2'. Depois, outra vez uma decepção", disse.