PUBLICIDADE
Topo

Joice diz que campanha não é deficitária e culpa burocracia

13 out. 2020 - Joice Hasselmann (PSL) participa de entrevista coletiva com candidatas mulheres em São Paulo - FÁBIO VIEIRA/ESTADÃO CONTEÚDO
13 out. 2020 - Joice Hasselmann (PSL) participa de entrevista coletiva com candidatas mulheres em São Paulo Imagem: FÁBIO VIEIRA/ESTADÃO CONTEÚDO

Redação

São Paulo

27/10/2020 12h54

A deputada federal Joice Hasselmann (PSL), candidata à Prefeitura de São Paulo, negou hoje que sua campanha seja deficitária. De acordo com a candidata do PSL, um "delay" entra a disponibilização do recurso e a compensação do valor na conta do candidato geram um descompasso momentâneo.

"Entre o valor que sai do fundo (eleitoral) para entrar na conta do candidato, tem um 'delay' de 72 horas. Ontem mesmo já houve mais uma liberação de um pequeno valor da nacional para a campanha aqui em São Paulo, que vai equilibrar isso", afirmou a candidata.

A declaração da candidata foi feita durante a sabatina realizada pela Rádio Eldorado, em resposta a um questionamento sobre o déficit em sua campanha.

Como mostrou reportagem do Estadão desta hoje, nove das 14 campanhas que disputam a Prefeitura de São Paulo declararam mais despesas que receitas, de acordo com dados informados à Justiça Eleitoral até o último domingo (25) quando se encerrou a primeira parcial de prestação de contas. A campanha de Joice foi uma delas.

A candidata explicou o processo e culpou a burocracia da prestação de contas pelo atraso na atualização do valor - apesar de defender o rigor na fiscalização dos gastos de campanha.

"Os valores são liberados no momento em que os recibos são encaminhados. Tem toda uma tramitação burocrática, dentro do meu partido tem compliance, então é tudo bem 'chatinho' e é assim que tem que ser. Quando se trata desse tipo de verba, tem que ser tudo muito certinho, muito 'corretinho' mesmo."

Redução de IPTU

Sobre seu plano de governo, Joice afirmou que pretende cortar o IPTU sobre imóveis comerciais e residenciais em 20%, linearmente.

De acordo com a candidata, o plano foi traçado por uma equipe econômica que inclui ex-secretários de gestões estadual e municipal de São Paulo e por representantes da iniciativa privada.