UOL Notícias Especial PAC
 

05/01/2009 - 17h02

Ministro afirma que PAC contribui para geração de emprego e renda

Alana Gandra
Da Agência Brasil
No Rio de Janeiro
O ministro das Cidades, Márcio Fortes, afirmou nesta segunda-feira (5), ao dar início às obras do novo sistema de distribuição de água de São Gonçalo, que o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) é importante para a indústria e a criação de empregos no país. "Por isso é que o PAC é um programa anticíclico. Quando se fala em crise, o PAC está aí para dar sua resposta com a geração e a manutenção de empregos e, sobretudo, com geração de renda", disse Fortes.

Segundo o ministro, o novo sistema de distribuição de água do município de São Gonçalo, primeira obra do PAC este ano no estado do Rio de Janeiro, faz parte de um conjunto de obras em parceria com o governo fluminense, por intermédio da Companhia de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae). Ele informou que os recursos totalizam R$ 24,3 milhões - R$ 19,4 milhões do Orçamento da União e R$ 4,9 milhões de contrapartida do governo estadual.

Fortes ressaltou que a obra tornará mais eficientes os sistemas de abastecimento de água tratada e de execução de ligações prediais na região. O objetivo é recuperar o Reservatório Marques Maneta, que voltará a operar depois de oito anos de paralisação, com capacidade de 20 milhões de litros de água e beneficiando uma população estimada em 200 mil habitantes, em vários bairros. Somente na parte do reservatório, o investimento previsto é de R$ 3,5 milhões. E será construída uma nova adutora para alimentar o Reservatório de Colubandê, informou o ministro.

Ele disse ainda que o período de abrangência do PAC é de 2007 a 2010. Quando o programa foi lançado, o teto de recursos para o estado do Rio era de R$ 3,8 bilhões. Com os acréscimos do Fundo Nacional de Interesse Social (Finis) e de valores destinados à área de saneamento, o total já passa de R$ 4,5 bilhões. "E caminha para R$ 5 bilhões, em função de várias obras prioritárias", acrescentou.

Em nível nacional, o PAC previa até 2010 recursos no total de R$ 504 bilhões, valor que teria subido para R$ 640 bilhões. Pelas previsões, o Ministério das Cidades participaria do total inicial do PAC com cerca de 30% ou o equivalente a R$ 150 bilhões. As obras do PAC englobam as áreas de habitação de interesse social e as destinadas à classe média, saneamento, transporte urbano, linhas expressas, corredores exclusivos, setores ferroviário e metroviário e renovação de frotas, envolvendo também investimentos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e do Orçamento Geral da União.

Segundo o ministro, estão disponíveis para financiamento na área de transportes R$ 2 bilhões do FGTS para este ano. Ele disse que, até o final deste mês ou o início de fevereiro, o Ministério das Cidades lançará uma nova rodada anual do Finis para inscrição online de prefeitos e governadores, visando à construção e melhoria de habitações e assentamentos ou planos habitacionais. O total de recursos disponíveis para todo o país é de R$ 1 bilhão.

O ministro disse, por fim, que os valores do PAC são complementados em função dos módulos das obras e vão subir de forma progressiva.

Últimas Notícias do PAC

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,48
    3,144
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,53
    75.604,34
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host