UOL Notícias Notícias
 

12/03/2010 - 08h04

Em seu primeiro discurso, presidente do Chile apela para unidade nacional

Renata Giraldi
Enviada Especial da Agência Brasil
Em Santiago (Chile)

Com um discurso emocionado e em tom patriótico, o novo presidente do Chile, Sebastián Piñera, dirigiu-se ontem (11) às vítimas dos terremotos e tsunamis que atingem o país. Para ele, a tragédia mostrou que há “muitos heróis anônimos” entre os chilenos. Depois de convocar uma reunião para adotar medidas de emergência, o presidente pediu a colaboração de todos para a reconstrução.

“Vamos reconstruir o Chile todos juntos, pedra por pedra, ladrilho por ladrilho”, disse ele, no discurso proferido em praça pública, em frente ao Palácio de La Moneda (sede do governo federal). “Em circunstâncias de tragédias e adversas, nós iremos nos fortalecer”, afirmou.

O primeiro desafio de Piñera foi tomar posse na Presidência da República minutos depois do mais forte tremor de terra registrado ontem, de uma série de 13 terremotos – ocorridos no período das 11h55 às 16h10, com graus que variaram de 2 a 7,2 de magnitude na escala Richter. Ele manteve a calma e tentou tranquilizar os presentes.

Segundo Piñera, o Chile vive um momento histórico pelo fato de a catástrofe ocorrer no ano do bicentenário da independência do país. Apelando para o patriotismo dos chilenos, o presidente pediu que fechassem os olhos e se lembrassem dos poemas de Pablo Neruda – poeta chileno que mantinha uma casa de veraneio na cidade de Valparaíso – e das canções de Violeta Parra, como a música Gracias a la vida que me ha dado tanto.

O discurso emocionado provocou lágrimas nos presentes na praça em frente ao La Moneda. A cada frase do presidente chileno, ele recebia aplausos. “A partir de hoje [11 de março] enfrento o maior desafio da minha vida”, disse Piñera. “Quero dizer que o que me dá coragem é esse povo valente, esforçado e valoroso.”

Piñeira venceu a eleição mais disputada nos últimos anos no Chile. O empresário obteve 51,8% dos votos contra 48,1% do candidato governista, o ex-presidente Eduardo Frei Ruiz (Concertación). Com um discurso baseado nas expressões “mudança” e “renovação” e a promessa de geração de emprego, Piñera conquistou votos dos indecisos e insatisfeitos.

Ontem (11), depois de ser empossado, o presidente resolveu visitar duas cidades que foram bastante destruídas pelos últimos tremores de terra e tsunamis. Ele conversou com as vítimas e anunciou a distribuição de um bônus para as famílias mais pobres no valor de US$ 80 – cerca de R$ 150. Também determinou uma reunião de emergência de uma comissão criada especificamente para tratar das questões relativas à catástrofe.

O último dia de cerimônia de Piñera foi encerrado com uma homenagem simbólica aos 497 mortos e 2 milhões de pessoas atingidos pelos abalos desde o dia 27 de fevereiro. O presidente e a primeira-dama Cecília Morel acenderam velas e as distribuíram para as pessoas chamadas por Piñera de “heróis anônimos” - mulheres, homens e até crianças que contribuíram para salvar os que corriam risco de morte.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,22
    3,148
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h22

    0,64
    65.099,56
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host