UOL Notícias Notícias
 

20/03/2010 - 18h35

Piñera anuncia cortes no orçamento para reconstrução do Chile

Da Ansa
Em Santiago (Chile)

O presidente chileno, Sebastián Piñera, declarou hoje que o país enfrentará as consequências do terremoto do dia 27 de fevereiro com "uma economia de guerra" e uma "profunda austeridade" nos gastos públicos.

"Vamos estabelecer uma economia de guerra em muitos assuntos públicos, no sentido da austeridade", destacou o presidente ao visitar um bairro da capital Santiago.

Em pronunciamento aos moradores da região, o mandatário acrescentou que "já firmou um decreto de profunda austeridade no gasto público".

"Planejamos um corte geral de 5% nos gastos correspondentes aos bens de consumo, compras de equipamentos e maquinarias em todos os ministérios", explicou Piñera, disse ainda que irá dar "o exemplo", já que "o maior corte será na Presidência da República".

Para reverter a trágica situação deixada pelo abalo sísmico de 8,8 graus na escala Richter e suas mais de cem réplicas, o chefe de Governo também disse que serão suspensos alguns programas do governo, "que não eram tão prioritários".

Com isso, será possível a criação de um "fundo da reconstrução", que terá vigência de quatro anos e deverá arrecadar cerca de US$ 733 milhões.

O presidente também desestimou o estudo divulgado pela imprensa local que indica que o país teria perdido apenas US$ 8 bilhões e não US$ 30 bilhões com o abalo sísmico, como vem anunciado o governo.

De acordo com análise do especialista Matías Braun, as projeções oficiais podem responder "ao temor do primeiro momento ou à estimativa de perdas, como a porcentagem do PIB (Produto Interno Bruto)" ou "à multiplicação dos danos do terremoto de 1985".

"Quero ser muito preciso. O prejuízo bruto, total do setor público, do setor privado, que afetou nosso país com o terremoto ou tsunami está estimado em US$ 30 bilhões", enfatizou.

Na sexta-feira, o ministro do Interior do país, Rodrigo Hinzpeter, já havia anunciado um primeiro pacote de medidas para as áreas afetadas. Segundo ele, as prioridades do governo serão a proteção das famílias desabrigadas, a reativação das escolas e o início dos trabalhos nas zonas devastadas.

Estima-se que o terremoto e o tsunami registrados há pouco menos de um mês tenham deixado mais de 500 mortos, dezenas de desaparecidos e dois milhões de desabrigados.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h09

    -0,57
    3,264
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h18

    1,08
    63.910,60
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host