UOL Notícias Notícias
 

26/03/2010 - 12h52

Tremor de magnitude 6,2 sacode o norte do Chile

Do UOL Notícias*
Em São Paulo

Atualizada às 15h00

Um tremor de magnitude 6,2 na escala de Richter sacudiu nesta sexta-feira o norte de Chile, causando alarme na população, um mês depois do forte terremoto de 8,8 pontos que atingiu o centro e o sul do país. Não há relatos de feridos e danos materiais. "No momento, não foi reportada nenhuma perda humana nem danos materiais por esse movimento de terra", afirmou o Escritório Nacional de Emergência (Onemi) em comunicado.

Marinha descartou a necessidade de emitir alerta de tsunami. "As características do terremoto não reúnem as condições para gerar um tsunami na costa do Chile", informou o Serviço Hidrográfico e Oceanográfico da Marinha (Shoa).

O epicentro é localizado a 76 quilômetros ao sul de Copiapó, localidade 804 quilômetros ao norte da capital Santiago. Esse abalo sísmico sentido hoje foi o mais forte registrado no norte do Chile depois do tremor de 6,3 graus de intensidade registrado em 4 de março.

Eva Cansino, do Onemi, afirmou que o abalo sísmico não é uma réplica do terremoto que, em 27 de fevereiro, devastou o centro-sul do país.

O terremoto de hoje provocou evacuação rápida de escritórios e escolas. Com o movimento brusco, alguns alarmes de automóveis e de empresas dispararam.

Ainda segundo relatos preliminares, o terremoto desta sexta-feira provocou alguns deslizamentos de terra e um colapso momentâneo no serviço de telefonia.

O terremoto de 27 de fevereiro no centro-sul do Chile, o quinto mais potente da história moderna, deixou pelo menos 452 mortos identificados e pelo menos cem desaparecidos. Foi a pior tragédia no país em meio século, destruindo 200 mil casas, dezenas de hospitais e centenas de escolas.

O governo do Chile anunciou na semana passada ajuste fiscal superior a US$ 700 milhões para arcar com o programa de reconstrução do país.

Ações contra o Estado

Familiares de vítimas dos tsunamis devastadores que atingiram o centro e sul do Chile abriram, no início do mês, a primeira ação judicial contra o Estado chileno, que não teria alertado a população a tempo sobre as grandes ondas provocadas pelo forte terremoto de 27 de fevereiro

Um funcionário da unidade da Marinha encarregado de alertar sobre maremotos informou à Onemi (Escritório Nacional de Emergências) sobre variações menores no nível da água que, assegurou, não constituíam tsunamis em localidades que foram devastadas por uma série de ondas gigantes.

Depois do incidente, a então diretora do Onemi renunciou, enquanto o chefe do Serviço Hidrográfico e Oceanográfico da Marinha (SHOA) foi destituído.O Onemi acusou o SHOA de lhe transmitir informações pouco claras e de descartar o perigo de ondas grandes na zona costeira, como consequência do terremoto.

* Com agências internacionais

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    -0,22
    3,175
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h23

    1,12
    65.403,25
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host