UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA

- Saiba quem é
Fernando Rodrigues



01/07/2006
Boa para todos

Por Fernando Rodrigues
Brasília - DF


A pesquisa Datafolha deu sete pontos a mais para Geraldo Alckmin. É o resultado perfeito para o PSDB e para o PT. Permite a ambos sonhar com o paraíso. Eis uma análise edulcorada para Lula: o petista tinha, há um mês, 45% contra 37% de todos os seus adversários somados. Hoje, os percentuais são 46% a 38%. Também é possível Alckmin apenas ter herdado sete pontos dos candidatos desistentes (Enéas, que tinha 4%, e Roberto Freire, com 2%) e de Heloísa Helena (ela oscilou de 7% para 6%). Em resumo, esses eleitores já não votariam no PT e continuam a não votar.

Agora, uma interpretação pró-PSDB: a exposição de Alckmin e os comerciais arranca-toco do PFL (chamando Lula de corrupto para baixo) foram vitais para que se operasse a incorporação total dos votos deixados para trás por Enéas, Freire e Heloísa Helena.

Como se não bastasse, a taxa de rejeição de Lula está em sólidos 31%, contra apenas 19% de Alckmin. Na próxima fase da campanha eleitoral, haveria chance real de o PSDB avançar sobre os votos petistas -jogando a disputa para o segundo turno. As duas interpretações dos números da pesquisa estão corretas. A grande dúvida que fica é a de sempre. Ninguém consegue dizer hoje se Alckmin e os outros candidatos juntos serão capazes de ter mais votos que Lula no primeiro turno. Os sete pontos a mais obtidos agora por Alckmin devem ser comemorados pelos tucanos. Mas a medição real do potencial do PSDB só poderá ser realizada daqui a um mês, quando o candidato terá demonstrado se conseguiu, de fato, subtrair votos do eleitorado hoje majoritariamente lulista. Faltam três meses para a eleição. A julgar pelo que se vê até o momento, o quadro segue aberto, mas ainda favorável ao PT.



COLUNAS ANTERIORES IMPRIMIR ENVIE POR EMAIL