UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA

- Saiba quem é
Fernando Rodrigues



30/05/2007
Aparelhamento do Estado

Por Fernando Rodrigues
Brasília - DF


O PT divulgou ontem ter 2.842 filiados em cargos federais que não pagam suas dívidas com a sigla. Esse número só se refere a integrantes de diretórios de nove das 27 capitais do país -onde estão para ocorrer reuniões locais. As dívidas são pelo não-pagamento do "dízimo" partidário.

Trata-se da doação compulsória de parte do salário de petistas nomeados para funções públicas. Apesar de ofuscado pela crise da Operação Navalha e do balança-mas-não-cai de Renan Calheiros, o número petista é relevante por várias razões. É a primeira pista concreta sobre o quanto o PT avançou sobre o governo Lula.

Nesses 2.842 inadimplentes não estão incluídos os petistas de capitais como São Paulo e Rio de Janeiro. Também ficaram de fora aqueles em cargos nos Estados e nas centenas de prefeituras.

Outro dado inédito: entre os 2.842 inadimplentes de nove capitais, 2.015 são da administração indireta. Ou seja, para cada petista devedor da legenda na administração direta há cerca de outros dois em estatais e autarquias. O PT era um amigo da transparência no passado.

Seus congressistas eram campeões de pedidos de informação. Hoje, não se sabe quantos petistas há dentro do Estado. Também é desconhecido o quanto a sigla arrecada com o "dízimo". No plano federal, teriam sido R$ 5 milhões em 2006. Mas é um mistério o montante produzido por petistas nos Estados e municípios.

Parece uma ação legítima um deputado doar parte de seu salário a um partido. É a vida deles. No caso dos milhares de funcionários petistas em cargos públicos, a situação é outra -pois são supostamente técnicos a serviço do Estado. Com seu enraizamento estatal profundo, o PT protagoniza a criação de uma nova oligarquia de origem sindical e partidária. Tão ou mais nefanda do que as atuais.


COLUNAS ANTERIORES IMPRIMIR ENVIE POR EMAIL