UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA

- Saiba quem é
Fernando Rodrigues



11/07/2007
Renan não é Joseph K.

Por Fernando Rodrigues
Brasília - DF


O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), voltou ontem a vestir o figurino de vítima. Diante de um plenário quase cheio, disse: "Vão ter que botar a forca lá fora ou a fogueira e pegar o presidente do Senado lá dentro para queimar". Até aí, está no preço. O problema veio a seguir. Renan decidiu repetir uma de suas frases prediletas: "Não sei do que me acusam". O político alagoano pretende se comparar tacitamente a Joseph K. -personagem de Kafka processado sem saber o motivo.

Dentro do Congresso todos sabem perfeitamente quais são as acusações contra Renan. Para ficar nas duas principais, ei-las: 1) o presidente do Senado relacionou-se com um lobista da empreiteira Mendes Júnior. Conferia poder ao amigo para transitar com dinheiro vivo a ser entregue como pensão para uma mulher com quem Renan tem uma filha;
2) há lacunas inexplicáveis nos recibos e documentação renanzistas a respeito de atividades no setor pecuário. As vacas alagoanas aparecem com taxa de fecundidade irreal. A arroba dos bois é vendida pelo maior preço médio do país.

Renan tem, por óbvio, o direito de se defender. Não há dispositivo legal o compelindo a sair da cadeira de presidente do Senado. Mas os outros 80 senadores estão obrigados a responder, com todas as letras, quando o político que os comanda diz não saber do que é acusado. Ontem, todos se calaram. Nesse momento o cenário guardou alguma similitude com a obra de Franz Kafka. Renan acabara de falar sobre forca, fogueira e das acusações inexistentes (sic) contra si.

O plenário, mudo. Tomou a palavra César Borges (DEM-BA). Falou sobre o rio São Francisco. Inácio Arruda (PC-do-B-CE) discorreu sobre a pesca de lagostas. Outros temas vieram. Mas ninguém teve coragem de listar as acusações contra o presidente da Casa. Patético.


COLUNAS ANTERIORES IMPRIMIR ENVIE POR EMAIL