UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA

- Saiba quem é
Fernando Rodrigues



23/07/2007
A direita agoniza

Por Fernando Rodrigues
Brasília - DF


Estive no velório e no enterro de Antonio Carlos Magalhães. Na madrugada de sexta-feira para sábado, por volta das 3h30, entrei na sala onde estava o corpo do político mais poderoso da Bahia nas últimas décadas.

O local estava vazio, exceto por policiais de plantão e quatro ou cinco pessoas vestidas de maneira humilde e sentadas em um canto. O amplo salão maximizava a sensação de solidão. No centro, o caixão. A imagem de ACM deitado, bem arrumado e aparentando sorrir, é uma alegoria ideal para sintetizar o momento pelo qual passam o Democratas (ex-PFL) e a direita em geral no país: um lento e contínuo processo de desidratação.
É claro que no dia seguinte, sábado, havia a enxurrada de políticos presentes. O "povo" também compareceu. Muitos possivelmente de maneira sincera, via-se, mas a parcela mais animada estava uniformizada vestindo camisetas com a foto de ACM estampada no peito. Houve alguma comoção, mas a impressão geral é que a vida hoje seguirá normal -exceto para o Democratas, órfão de seu maior puxador de votos das últimas décadas.

Em 2002, de todos os votos para deputados federais que o Democratas teve no país, 21,3% tiveram origem na Bahia. Em 2006, o percentual pulou para 22,5%. A prevalência baiana no partido se manteve no ano passado, quando a legenda já estava em fase decrépita, inclusive em solo carlista.

Se há no Brasil um partido de grande porte com algum fiapo de ideologia conservadora ou de pensamento claro de direita essa legenda é o Democratas. A agremiação se esmerou recentemente para trocar de nome (uma das mais desastradas operações de marketing político da história moderna), mas pouco fez para estabelecer algum vínculo real com o seu eleitorado. Com a morte de ACM, pode ter perdido o único elo restante.


COLUNAS ANTERIORES IMPRIMIR ENVIE POR EMAIL