UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA

- Saiba quem é
Fernando Rodrigues



10/09/2008
Escalada conservadora

Por Fernando Rodrigues
Nova York


Foi até agora uma aposta certeira para o republicano John McCain a escolha de Sarah Palin como candidata a vice-presidente. Vices quase nunca ajudam, às vezes atrapalham, mas a jovem governadora do Alasca galvanizou a campanha entre os eleitores mais conservadores dos EUA.
Branca, 44 anos, fotogênica, bem-sucedida, casada com seu namorado de escola, cinco filhos (o mais novo com síndrome de Down), contra o aborto, a favor da posse de armas e evangélica praticante, Sarah Palin é um apelo claríssimo para uma parcela nada desprezível dos eleitores.
Aqui, o voto não é obrigatório. Os conservadores reagem com vigor quando se sentem ameaçados por uma mudança com a qual não concordam. A eleição do democrata Barack Obama, por exemplo.

Obama tem grande apelo entre os eleitores jovens. Justamente os que tendem a comparecer menos no dia da eleição. Já a chapa McCain-Palin é mais atraente para o eleitorado mais velho e adepto de valores e costumes conservadores -a clássica direita. Nos EUA, 51,3% são protestantes. Desses, 26,3% são evangélicos, como Palin.

Se esse grupo aparecer em massa para votar no dia 4 de novembro, os conservadores têm chance real de manter a Casa Branca. Há indicações de uma movimentação em curso. Grandes grupos religiosos já começam a montar um sistema para enviar mensagens pró-McCain-Palin para os fiéis.
A escalada conservadora depende, por óbvio, de como Obama reagirá.

Também não está claro se Sarah Palin se sairá bem quando submetida a um ambiente sem a coreografia dos comícios. Faltam menos de oito semanas para o pleito, mas tudo continua aberto. E hoje evaporou por completo a impressão de dois meses atrás, quando muitos previam um passeio dos democratas sobre os republicanos.


COLUNAS ANTERIORES IMPRIMIR ENVIE POR EMAIL