UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA

- Saiba quem é
Fernando Rodrigues



01/10/2008
Cronologia possível da crise

Fernando Rodrigues
De Brasília


O único consenso no mercado ontem era sobre a falta completa de consenso a respeito de qual pode ser o desfecho da crise financeira originada nos EUA. No meio de incertezas, chutes e torcidas, foi possível identificar algumas observações recorrentes.

1) pacote: algum tipo de resgate estatal será aprovado pelo Congresso nos próximos dias. A extensão e a eficácia desse plano de socorro são incógnitas;

2) ações: até a véspera do anúncio do pacote, os índices das Bolsas de Valores ficarão andando de lado ou até subindo, como ontem. É um vício mundial dos mercados de valores. Os preços das ações sobem no boato e caem no fato;

3) falta de liderança: George W. Bush é um acidente histórico. Tornou-se o presidente mais frágil em final de mandato de toda a história recente dos EUA. Abriu-se um vácuo não preenchido pelos dois candidatos presidenciais. Barack Obama e John McCain foram inábeis e incapazes de liderar o Congresso no meio da tormenta;

4) sucessão presidencial: a disputa continua aberta, apesar do mau momento de McCain;

5) reforma ampla: só com a posse do próximo presidente dos EUA, em 20 de janeiro, será possível acomodar as forças políticas. O novo ocupante da Casa Branca iniciará um processo amplo de reestruturação do sistema financeiro. Se o eleito for Barack Obama, suas chances de arrancar uma legislação no Congresso são maiores -todas as pesquisas indicam que Senado e Câmara continuarão sob domínio democrata em 2009.

Tudo somado, como se observa, haverá no mínimo mais quatro ou cinco meses de balbúrdia. Nesse período, mais bancos quebrarão. Empresas não-financeiras começarão a entrar na dança por causa da escassez de crédito. Para concluir, a ressalva final: esse é o cenário mais positivo na praça.


COLUNAS ANTERIORES IMPRIMIR ENVIE POR EMAIL