UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA

- Saiba quem é
Fernando Rodrigues



13/10/2008
"Estatização", palavra polêmica

Fernando Rodrigues
De Washington


Banqueiros e governos falam de "injeção de recursos" e "compra de ações" de instituições financeiras encrencadas. Evita-se sempre a expressão "estatização". É um tabu como era no passado falar em público a respeito de alguém com câncer. Românticos de Cuba reclamam dessa novilíngua do poder -apenas com razão parcial, pois é necessário ponderar as nuanças do atual cenário.

Do ponto de vista lingüístico, o termo "estatização" está correto. Se um banco privado passa a ser controlado pelo governo, torna-se uma entidade estatal.

Mas há também a carga ideológica dentro da expressão. Quando nos países socialistas houve estatização, tratava-se de medida para a vida toda. Pelo menos essa era a intenção de soviéticos e seus satélites durante décadas no século passado. Ou seja, ao dizer simplesmente "EUA estatizam bancos" conta-se só metade da história.

Engana-se quem imagina a Casa Branca tomada por neobolcheviques, capitulando aos ensinamentos de Marx. Na realidade, não há o menor sinal de uma política para aumentar a presença do Estado na economia de maneira perene. Nenhum integrante da equipe econômica norte-americana defende a estatização eterna das instituições bancárias agora socorridas.

A idéia do pacotão de George W. Bush é tentar salvar o capitalismo. Se for necessário torrar dinheiro público, cumpra-se. Passada a turbulência, o movimento será de vender de volta todos os bancos para a iniciativa privada.

É possível, por óbvio, discutir se essa é uma boa saída. Há argumentos para todos os gostos. Inimigos do capitalismo vaticinam um fracasso inexorável. Prevêem o sistema financeiro nas mãos do Estado para sempre. Apostar nesse desfecho embute um risco tão alto como comprar derivativos lastreados no mercado imobiliário dos EUA.


COLUNAS ANTERIORES IMPRIMIR ENVIE POR EMAIL