UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA

- Saiba quem é
Fernando Rodrigues



17/08/2009
A incerteza sobre Dilma

Fernando Rodrigues
De Brasília


Um fato emblemático ocorreu na semana passada. Do alto de sua estratosférica aprovação popular, Lula recebeu a direção do PSB para um jantar. Os socialistas insistiram em lançar Ciro Gomes candidato ao Planalto.

Lula ouviu. Argumentou ter preferência por uma disputa circunscrita a dois candidatos. Enxerga vantagem numa fórmula plebiscitária. Do lado governista, a ministra Dilma Rousseff, pelo PT. Do outro, quem o tucanos escolherem, José Serra ou Aécio Neves.

A direção do PSB respondeu com a tese da utilidade da candidatura Ciro Gomes. Dois postulantes lulistas anabolizariam o discurso do governo. Até porque há um nome extra na oposição -Marina Silva, possível presidenciável do PV.

O jantar entre Lula e o PSB acabou com os socialistas comemorando. Nada foi definido. Eis aí a mensagem principal do encontro. Com sua popularidade inabalada pela crise ética no Congresso, conforme mostrou a pesquisa Datafolha de ontem, o presidente poderia ter imposto a sua estratégia.

"Nós vamos só com a Dilma e ponto final", seria uma frase possível de Lula. O PSB teria de acatar.

Nada disso aconteceu. Prevaleceu o tirocínio do presidente, corroborado agora pelo Datafolha. Embora tenha se tornado uma candidata competitiva, Dilma Rousseff consolida-se também como uma grande incerteza. Seu crescimento estagnou. Seus adversários, é verdade, também têm ficado no mesmo lugar. Mas é da ministra de Lula que se espera uma disparada -ainda não realizada.

Também ainda não está claro o efeito real da entrada de Marina Silva no páreo. Ela teve pouca exposição e talvez receba o apoio de Heloísa Helena (PSOL).

Tudo somado, o momento não é dos melhores para Dilma. O faro de Lula sentiu a mudança de ares e o presidente voltou a olhar Ciro Gomes com outros olhos.


COLUNAS ANTERIORES IMPRIMIR ENVIE POR EMAIL