UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA

- Saiba quem é
Fernando Rodrigues



19/12/2009
Matemática eleitoral

Fernando Rodrigues
De Brasília


Aécio Neves anunciou sua saída da corrida presidencial. As consequências foram todas listadas ontem, sobretudo a pressão maior sobre José Serra -agora compelido a assumir de uma vez a candidatura ao Planalto.

Apesar do impacto, é precipitado considerar o quadro sucessório fechado. Há ainda mais de nove meses até o dia 3 de outubro, data do primeiro turno em 2010.

Para ficar num exemplo emblemático, Fernando Henrique Cardoso acalentava uma tênue possibilidade de vitória em dezembro de 1993. O nome forte era o do petista Luiz Inácio Lula da Silva. Em outubro de 1994, o tucano foi eleito.

Hoje, o Brasil é outro. Não há um Plano Real à vista alavancando um político da noite para o dia. Mas continua a existir uma miríade caótica de partidos médios e grandes.
Falta também um histórico consolidado de eleições sem o qual não se fazem previsões tão antecipadas com um mínimo de ciência.

O cenário eleitoral vai se formar mesmo por conta da numerologia das pesquisas de opinião. Se Serra disparar e Dilma Rousseff (PT) ficar bem atrás, o tucano é candidato a presidente. Nada impedirá então Aécio Neves de embarcar no projeto com a vaga de vice-presidente.
Num cenário oposto, se Serra derrapar e ficar empatado ou até atrás de Dilma, é difícil vislumbrar o atual governador de São Paulo renunciando ao cargo e entrando numa competição para perder. Nessa hipótese, Aécio pode renunciar à renúncia e virar candidato.

O segundo pelotão também será regido pela matemática eleitoral das pesquisas. Ciro Gomes (PSB) só será candidato se puder atingir em 2010 algo acima dos 12% que conquistou em 2002.

Tudo considerado, o "forfait" de Aécio agitou o mundinho político.
Mas a indefinição ainda é grande sobre quem estará para valer na sucessão de Lula em 2010.


COLUNAS ANTERIORES IMPRIMIR ENVIE POR EMAIL