Publicidade



:
China e Japão, cruzando a fronteira
Entrosada, defesa do Brasil não pode falhar contra o Paraguai, diz Parreira
Lucro da Eletrobrás cai 71% e fica em R$ 323 milhões em 2003
MSN reformula portal para brigar com Google e Yahoo!
'Scooby-Doo 2' lidera bilheterias dos EUA no fim de semana
Índia de Roraima vai à OEA contra governo brasileiro

Envie esta
notícia por email
Índice

Salgueiro faz desfile politicamente correto
07h19 - 11/02/2002




RIO DE JANEIRO (Reuters) - Nada de nus, sequer seios de fora, nada de pirotecnia, nem mesmo madrinhas ou rainhas de bateria. A Salgueiro optou por uma evolução irrepreensível para cantar o sonho de voar no seu desfile quase ao alvorecer da segunda-feira na Marquês de Sapucaí.

Vermelho e branco tomaram conta da avenida em diferentes combinações na maioria das alegorias da escola, que se prepara para completar 50 anos em 2003.

Efeitos luminosos em vermelho deram o tom diferencial da bateria. E a platéia cantou junto com passistas a temática sobre "Asas de um sonho.

Viajando com o Salgueiro, o orgulho de ser brasileiro".

"Foi a melhor apresentação da Salgueiro desde que comecei a desfilar na escola há sete anos", comentou o paulista Pedro Umpierres, que carregou sobre os ombros um quadro com a pintura do 14 bis.

Apesar de carros alegóricos com reproduções de dirigíveis, balões, aeronave e até um boneco do Comandante Rolim Amaro, fundador da TAM, empresa patrocinadora da escola neste ano, o que mais chamou a atenção na Salgueiro -- com direito a aplausos e assovios da platéia-- foi uma ala de crianças que carregaram sirenes em cima dos ombros.

Crianças sorrindo o tempo inteiro e coreografias bem-cuidadas tornaram a ala um destaque e levaram a melhor, em termos de receptitividade popular, do que a estréia no sambódromo da atriz Luana Piovani.

A artista, toda de branco, com plumas e um biquíni bem-comportado, exibiu charme, mas pouco samba no pé.

"Ela foi demais, só faltava sambar um bocadinho mais", observou o soldado Gaspar, do Corpo de Bombeiros, que acompanhou detidamente a apresentação de Piovani.

Entre os torcedores, não houve gritos de "é campeã" e alguns acharam difícil explicar o motivo.

Outros atribuíram a um "fator inexplicável" a falta de favoritismo da escola. Um dos poucos episódios que pode ter causado estranheza foi o fato de o personagem Santos Dumont ter sido vivivo por um argentino na passarela do samba.

(Por Fabíola Girardin)



Índice
LEIA SÓ
NOTÍCIAS DE:
Folha Online
UOL News
UOL Esporte
UOL Economia
UOL Tablóide
Mundo Digital
Veja Online
Vestibuol
UOL Diversão e Arte
UOL Música
Exame
BBC
The New York Times
Cox News Service
El País
Financial Times
Le Monde
Hearst Newspapers
The Boston Globe
TNYT News Service
USA Today
Consultor Jurídico
AFP Internacionais
AFP Negócios
AFP Esporte
AFP Diversão
Reuters Geral
Reuters Negócios
Reuters Esporte
Reuters Diversão
Lusa
UOL Rádios e TVs
UOL Corpo e Saúde
Notícias sobre o UOL
Reuters Limited - todos os direitos reservados. O conteúdo Reuters é de propriedade intelectual da Reuters Limited.
Qualquer cópia, republicação ou redistribuição do Conteúdo Reuters, inclusive por armazenamento rápido, enquadramento
ou outros meios semelhantes, estão expressamente proibidas sem o consentimento prévio por escrito da Reuters.
A Reuters não será responsável por quaisquer erros ou atrasos no Conteúdo,
ou por quaisquer medidas tomadas na ocorrência fos fatos ora descritos.