Publicidade



:
China e Japão, cruzando a fronteira
Entrosada, defesa do Brasil não pode falhar contra o Paraguai, diz Parreira
Lucro da Eletrobrás cai 71% e fica em R$ 323 milhões em 2003
MSN reformula portal para brigar com Google e Yahoo!
'Scooby-Doo 2' lidera bilheterias dos EUA no fim de semana
Índia de Roraima vai à OEA contra governo brasileiro

Envie esta
notícia por email
Índice

Lula vence prévia com folga e campanha do PT deve ganha fôlego
18h10 - 20/03/2002




SÃO PAULO (Reuters) - A vitória de Luiz Inácio Lula da Silva com folga nas prévias para a escolha do candidato do PT ao Planalto, confirmada pelo partido nesta quarta-feira, abre caminho para que a campanha de Lula ganhe força total.

Com 96,6% dos votos apurados, Lula obteve 84,4% dos votos válidos e o senador Eduardo Suplicy 15,6%. Em números absolutos, Lula teve 136.492 votos e Suplicy 25.199. Foram contabilizados 2.031 votos em branco e 1.022 votos nulos, informou o Diretório Nacional do PT.

A cúpula petista, que foi contra a realização das prévias porque queria que Lula fosse o candidato de consenso total do partido, respirou aliviada com o resultado.

"O perigo de Suplicy ter acima de 20% dos votos não se confirmou e a candidatura de Lula saiu fortalecida internamente", disse o analista político Etevaldo Dias, da consultoria SantaFé Idéias.

Segundo ele, o PT quer capitalizar tal fortalecimento e engrenar para valer a campanha de seu presidente de honra.

"Os coordenadores da campanha de Lula querem aproveitar o momento e a 'oficialização' da candidatura dele para recuperar pontos perdidos nas últimas pesquisas com a quase paralisia da campanha", explicou Dias.

"Todos os espaços de TV e rádio serão ocupados por Lula, que retomará as viagens nacionais e também pelo exterior. O objetivo é retomar o patamar de 30% de intenções de voto no começo de maio", completou.

De acordo com pesquisas do Datafolha, Lula tinha 31% das intenções de voto em dezembro, caiu para 30 em janeiro, 26% em fevereiro e 25% em março. A queda de Lula inicialmente coincidiu com a ascensão da governadora do Maranhão, Roseana Sarney, do PFL.

A governadora perdeu pontos após a denúncia de irregularidades em empresa de sua propriedade, que culminou com o rompimento de seu partido com o governo, mas quem ganhou com isso não foi Lula. Os votos de Roseana foram para outros candidatos, entre eles José Serra, do PSDB, que subiu da terceira para a segunda posição.

Nesta quarta-feira o PSDB formalizou convite ao PMDB, que faz parte da aliança que sustenta o governo, para formar uma coalizão para a eleição presidencial de outubro.

O resultado final das prévias do PT, realizadas no último domingo, será homologado neste final de semana em reunião do Diretório Nacional em São Paulo.

Na segunda-feira Suplicy já admitia a derrota e reafirmava seu apoio ao presidente de honra do partido, mas não quis comentar a possibilidade de concorrer como vice-presidente. O senador só obteve mais de 20% dos votos em dois estados: São Paulo (23,5%) e Santa Catarina (20,6%).

Cerca de 166 mil petistas votaram nas prévias. O partido realiza até setembro o recadastramento de seus filiados, pois de acordo com dados históricos possui 800 mil filiados, mas seus dirigentes reconhecem que esse número deve estar hoje em torno de 400 mil.



Índice
LEIA SÓ
NOTÍCIAS DE:
Folha Online
UOL News
UOL Esporte
UOL Economia
UOL Tablóide
Mundo Digital
Veja Online
Vestibuol
UOL Diversão e Arte
UOL Música
Exame
BBC
The New York Times
Cox News Service
El País
Financial Times
Le Monde
Hearst Newspapers
The Boston Globe
TNYT News Service
USA Today
Consultor Jurídico
AFP Internacionais
AFP Negócios
AFP Esporte
AFP Diversão
Reuters Geral
Reuters Negócios
Reuters Esporte
Reuters Diversão
Lusa
UOL Rádios e TVs
UOL Corpo e Saúde
Notícias sobre o UOL
Reuters Limited - todos os direitos reservados. O conteúdo Reuters é de propriedade intelectual da Reuters Limited.
Qualquer cópia, republicação ou redistribuição do Conteúdo Reuters, inclusive por armazenamento rápido, enquadramento
ou outros meios semelhantes, estão expressamente proibidas sem o consentimento prévio por escrito da Reuters.
A Reuters não será responsável por quaisquer erros ou atrasos no Conteúdo,
ou por quaisquer medidas tomadas na ocorrência fos fatos ora descritos.