Publicidade



:
China e Japão, cruzando a fronteira
Entrosada, defesa do Brasil não pode falhar contra o Paraguai, diz Parreira
Lucro da Eletrobrás cai 71% e fica em R$ 323 milhões em 2003
MSN reformula portal para brigar com Google e Yahoo!
'Scooby-Doo 2' lidera bilheterias dos EUA no fim de semana
Índia de Roraima vai à OEA contra governo brasileiro

Envie esta
notícia por email
Índice

Lula ganha apoio de pastores evangélicos no Rio
20h45 - 17/10/2002


RIO DE JANEIRO (Reuters) - Enquanto o candidato da aliança governista, José Serra, assegurou o apoio da Igreja do Evangelho Quadrangular, o candidato à Presidência pela coligação liderada pelo PT, Luiz Inácio Lula da Silva, recebeu nesta quinta-feira o aval de lideranças de vários outros segmentos da igreja evangélica.

Em um concorrido evento numa churrascaria na zona norte do Rio de Janeiro, que reuniu cerca de 900 pessoas, Lula obteve o apoio de representantes de várias igrejas, incluindo a Metodista, Batista, Sara Nossa Terra, Igreja Universal e pastores da Assembléia de Deus, que não seguiram a decisão das duas principais convenções da igreja de apoiar Serra. Ao discursar para a platéia de evangélicos, Lula recorreu a imagens bíblicas para rechaçar a campanha do adversário, que insiste na tese do medo para desconstruir sua candidatura às vésperas do segundo turno das eleições.

"A gente não tem que ter medo, a gente tem que votar com consciência, porque se a gente permitir que prevaleça a teoria do medo, a gente vai voltar milhares de anos atrás, quando Herodes, por medo do novo, queria matar todas as crianças à procura de Jesus Cristo," disse Lula.

Ele lembrou que foi o medo que levou o país a preterir na campanha presidencial de 1989, que elegeu Fernando Collor de Mello, políticos como Leonel Brizola, presidente nacional do PDT, e do falecido governador de São Paulo Mário Covas.

O pastor Silas Malafaia, presidente do Conselho Interdenominacional de Ministros Evangélicos, que congrega mais de 10 mil pastores, também refutou a teoria do medo.

Lula disse estar convicto de que vencerá as eleições "sem atacar o adversário" nem falar mal do governo. E notou que pretende contar com a ajuda dos evangélicos para atacar os problemas sociais do país.

"Vocês nunca, na história da igreja evangélica, foram chamados à responsabilidade e a participar da construção desse país como eu vou chamar," disse o candidato.

Lula destacou que as diversas igrejas e as organizações não-governamentais têm sido mais eficientes no trabalho social do que o próprio Estado.

Os evangélicos somam 26 milhões de brasileiros, ou cerca de 15 por cento da população, de acordo com o Censo 2000, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O pastor Everaldo, braço direito do candidato derrotado à Presidência pelo PSB, o evangélico Anthony Garotinho, destacou que as lideranças evangélicas estavam depositando um voto de confiança na administração petista. Ele lembrou que os evangélicos querem o compromisso do governo Lula com a queda dos juros, políticas de renda, emprego e educação e com a liberdade para atuação das várias igrejas evangélicas.

Ele também ressaltou a necessidade de aumentar o salário mínimo além dos 11 reais prometidos pelo governo no Orçamento do ano que vem, principal plataforma da candidatura de Garotinho, que manifestou seu apoio à candidatura de Lula no segundo turno.

(Por Fatima Cristina)



Índice
LEIA SÓ
NOTÍCIAS DE:
Folha Online
UOL News
UOL Esporte
UOL Economia
UOL Tablóide
Mundo Digital
Veja Online
Vestibuol
UOL Diversão e Arte
UOL Música
Exame
BBC
The New York Times
Cox News Service
El País
Financial Times
Le Monde
Hearst Newspapers
The Boston Globe
TNYT News Service
USA Today
Consultor Jurídico
AFP Internacionais
AFP Negócios
AFP Esporte
AFP Diversão
Reuters Geral
Reuters Negócios
Reuters Esporte
Reuters Diversão
Lusa
UOL Rádios e TVs
UOL Corpo e Saúde
Notícias sobre o UOL
Reuters Limited - todos os direitos reservados. O conteúdo Reuters é de propriedade intelectual da Reuters Limited.
Qualquer cópia, republicação ou redistribuição do Conteúdo Reuters, inclusive por armazenamento rápido, enquadramento
ou outros meios semelhantes, estão expressamente proibidas sem o consentimento prévio por escrito da Reuters.
A Reuters não será responsável por quaisquer erros ou atrasos no Conteúdo,
ou por quaisquer medidas tomadas na ocorrência fos fatos ora descritos.