Publicidade



:
China e Japão, cruzando a fronteira
Entrosada, defesa do Brasil não pode falhar contra o Paraguai, diz Parreira
Lucro da Eletrobrás cai 71% e fica em R$ 323 milhões em 2003
MSN reformula portal para brigar com Google e Yahoo!
'Scooby-Doo 2' lidera bilheterias dos EUA no fim de semana
Índia de Roraima vai à OEA contra governo brasileiro

Envie esta
notícia por email
Índice

Herb Ritts, fotógrafo das estrelas, morre em Los Angeles
08h17 - 27/12/2002


Por Gina Keating

LOS ANGELES (Reuters) - O fotógrafo Herb Ritts, cuja câmera sóbria flagrou desde a espiritualidade do Dalai Lama até os joelhos da corredora Jackie Joyner-Kersee, morreu na quinta-feira aos 50 anos, em Los Angeles, vítima de uma pneumonia. Ele estava internado havia alguns dias.

Seu assessor de imprensa, Stephen Huvane, disse que 10 dias antes de morrer Ritts fotografou o ator Ben Affleck para uma capa da Vanity Fair e estava dirigindo videoclipes. O fotógrafo, que vivia em Los Angeles, deixa a mãe, três irmãos e o companheiro, Erik Hyman.

Em quase três décadas de carreira, Ritts fotografou os maiores ícones da moda e da música. No começo, as fotos dos amigos da indústria cinematográfica eram apenas um hobby, paralelo ao trabalho na loja de móveis da família.

Em 1978, uma dessas fotos, dos atores Jon Voight e Ricky Schroeder, foi parar na revista Newsweek. Dois anos depois, Ritts iniciava seu trabalho como fotógrafo comercial, retratando o então jovem Richard Gere num posto de gasolina no meio do deserto.

Nos anos que se seguiram, Ritts criou um estilo pessoal e se interessou por outros temas, da nudez das mulheres masai, da África, a retratos da cantora Madonna com as orelhas do Mickey.

Sua linguagem contida e quase narrativa tornou-se comum nas páginas da Vogue, da Vanity Fair e da Rolling Stone. Ele era conhecido por reduzir as celebridades a seus elementos essenciais -- as poderosas pernas e o tronco de Jackie Joyner, os olhos e o anel de diamantes de Elizabeth Taylor, por exemplo.

Como diretor de videoclipes, nos últimos anos, recebeu prêmios da MTV por seu trabalho com Chris Isaac e Janet Jackson.

Na última década, Ritts mereceu exposições em Los Angeles, Nova York e em grandes cidades européias. Os curadores do Museu de Belas-Artes de Boston descreveram-no como "um construtor de imagens do nosso tempo, que traduziu os sonhos e desejos de nossa cultura em fotos memoráveis".

O trabalho do fotógrafo está reunido em seis livros, que reúnem estudos sobre os dois gêneros, casais gays, celebridades, povos africanos e paisagens. "Gosto de transitar da moda para os retratos, para as belas-artes, para o nu e até para as imagens em movimento, e gosto de misturar tudo e trazer de volta o que aprendi", disse ele certa vez.

"Para mim, é importante ter uma imagem que seja antes de tudo uma fotografia, não necessariamente a respeito de quem aquela pessoa é."



Índice
LEIA SÓ
NOTÍCIAS DE:
Folha Online
UOL News
UOL Esporte
UOL Economia
UOL Tablóide
Mundo Digital
Veja Online
Vestibuol
UOL Diversão e Arte
UOL Música
Exame
BBC
The New York Times
Cox News Service
El País
Financial Times
Le Monde
Hearst Newspapers
The Boston Globe
TNYT News Service
USA Today
Consultor Jurídico
AFP Internacionais
AFP Negócios
AFP Esporte
AFP Diversão
Reuters Geral
Reuters Negócios
Reuters Esporte
Reuters Diversão
Lusa
UOL Rádios e TVs
UOL Corpo e Saúde
Notícias sobre o UOL
Reuters Limited - todos os direitos reservados. O conteúdo Reuters é de propriedade intelectual da Reuters Limited.
Qualquer cópia, republicação ou redistribuição do Conteúdo Reuters, inclusive por armazenamento rápido, enquadramento
ou outros meios semelhantes, estão expressamente proibidas sem o consentimento prévio por escrito da Reuters.
A Reuters não será responsável por quaisquer erros ou atrasos no Conteúdo,
ou por quaisquer medidas tomadas na ocorrência fos fatos ora descritos.