Publicidade



:
China e Japão, cruzando a fronteira
Entrosada, defesa do Brasil não pode falhar contra o Paraguai, diz Parreira
Lucro da Eletrobrás cai 71% e fica em R$ 323 milhões em 2003
MSN reformula portal para brigar com Google e Yahoo!
'Scooby-Doo 2' lidera bilheterias dos EUA no fim de semana
Índia de Roraima vai à OEA contra governo brasileiro

Envie esta
notícia por email
Índice

Silvio Santos monopoliza a mídia com notícia sobre sua saúde
17h15 - 10/07/2003


Reuters

Por Thiane Loureiro

SÃO PAULO (Reuters) - O empresário e apresentador Silvio Santos foi "líder de audiência" na mídia brasileira nesta quinta-feira, quando notícias bombásticas de uma doença incurável e da venda do império comercial do SBT foram divulgadas por uma revista especializada em televisão e celebridades.

A Contigo, uma publicação da editora Abril, foi o vetor usado por Santos para chamar a atenção de todo o país. Em poucas horas, ele era assunto em vários canais de televisão e capa de todos os grandes sites de Internet.

Na entrevista, concedida à repórter Ana Carolina Soares, o empresário disse que sofre de uma doença sem cura, que tem apenas seis anos de vida e que vendeu o seu canal de televisão à rede mexicana Televisa e ao ex-todo poderoso da rede Globo, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho.

A assessoria do SBT não confirma nem desmente a informação, dizendo que tomou conhecimento do assunto pela revista.

A Reuters procurou Silvio Santos na casa onde ele está vivendo em Celebration, uma cidade construída pelo grupo Disney em Orlando, na Flórida.

Ao procurar a operadora Embratel e pedir o telefone de sobrenome Abravanel em Celebration, a telefonista disse "Ah, você quer o telefone do Silvio Santos, só um minutinho", voltando em seguida com o número e dizendo: "quer que eu transfira para você direto?".

Ela voltou segundos depois e disse: "Silvio Santos na linha, obrigada por escolher a Embratel".

Em seguida, a voz, parecida com a do apresentador, perguntou: "Pois não? Quem é?".

Com a identificação da repórter, ele disse "Pode falar". Ao ser perguntado sobre a veracidade das informações publicadas pela revista, a voz disse: "Você leu a reportagem? Então faça o seu juízo", afirmou. Depois de repetir isso algumas vezes, passou a dizer: "Esta é uma gravação. Se você não entendeu aperte um, se entendeu aperte 2" e em seguida desligou o telefone.

Numa segunda tentativa, uma mulher atendeu a ligação e desconversou: "Não ligue mais para cá", enquanto uma voz, que novamente parecia ser de Silvio Santos, afirmava: "Não quero mais falar com ninguém. Desliga".

DOENTE?

Apesar de dizer na entrevista que permanece quase o tempo todo deitado e que tem feito transfusões de sangue devido a uma doença do coração, a Contigo publicou fotos do apresentador fazendo compras em um supermercado um dia antes de falar com a repórter da revista, também por telefone.

Ele também afirmou à Contigo que vendeu a emissora por 2 bilhões de reais, mas nem Boni nem a Televisa confirmam o negócio.

Procurada pela Reuters, a rede mexicana confirmou que ainda está em negociações para compra de parte do SBT.

"Sim, há uma opção de compra de 30 por cento do SBT, porque é isso que a lei (brasileira) permite", disse nesta quinta-feira o porta-voz da Televisa Manuel Compean.

"É um acordo que já tem algum tempo (...) Continuamente a Televisa analisa a possibilidade de exercer essa opção, não tem havido nenhum avanço significativamente importante nos últimos tempos", acrescentou.

Já o escritório de Boni afirmou à Reuters que ele está na Europa e que desconhece o assunto. À revista, porém, Boni teria dito que "não houve negociação nem compra do SBT".

A editora da Contigo e porta-voz da revista para comentar o caso, Vanessa Cabral, contou à Reuters que a repórter da revista teve três conversas com o empresário, que concordou em gravar suas declarações --a fita teria sido apresentada à assessoria de imprensa do SBT, que se disse chocada com as informações.

Amigos e familiares consultados pela publicação, como o apresentador Gugu Liberato, disseram não ter conhecimento da tal doença terminal de Silvio Santos, que estaria sofrendo de um problema nas artérias do coração.

Veja a seguir como foi o diálogo da Reuters com a pessoa que se identificou como Silvio Santos:

-- "Quem fala?", disse a voz. Quer falar com quem?"

-- "Gostaria de falar com Silvio Santos", disse a repórter da Reuters.

-- "De onde você é?"

-- "Sou de uma agência internacional de notícias e estou em São Paulo."

-- "Pode falar."

-- "Tomamos conhecimento da reportagem da revista Contigo e gostaríamos de confirmar se as informações são verdadeiras..."

-- "Você leu a reportagem? Então cabe a você assinar em cima ou não."

-- "Mas estamos também fazendo uma matéria sobre a Televisa e esse tipo de informação afeta as ações da companhia. O senhor pode, por favor, confirmar para nós o que foi dito à Contigo?"

-- "Você leu a reportagem? Então faça seu juízo."

-- "Mas por que o senhor resolveu contar tudo à Contigo de repente, sendo que nenhum dos seus amigos e assessores sabia de nada?"

-- "Você leu a reportagem? Então faça seu julgamento. Esta é uma gravação."

-- "É verdade que o senhor tem mesmo só seis anos de vida?"

-- "Você leu a reportagem? Então faça seu julgamento. Esta é uma gravação."

-- "Se você entendeu aperte um. Se não entendeu, aperte 2."

Em seguida, a o interlocutor desligou o telefone.



Leia também
Mexicana Televisa negocia compra de parte do SBT

Índice
LEIA SÓ
NOTÍCIAS DE:
Folha Online
UOL News
UOL Esporte
UOL Economia
UOL Tablóide
Mundo Digital
Veja Online
Vestibuol
UOL Diversão e Arte
UOL Música
Exame
BBC
The New York Times
Cox News Service
El País
Financial Times
Le Monde
Hearst Newspapers
The Boston Globe
TNYT News Service
USA Today
Consultor Jurídico
AFP Internacionais
AFP Negócios
AFP Esporte
AFP Diversão
Reuters Geral
Reuters Negócios
Reuters Esporte
Reuters Diversão
Lusa
UOL Rádios e TVs
UOL Corpo e Saúde
Notícias sobre o UOL
Reuters Limited - todos os direitos reservados. O conteúdo Reuters é de propriedade intelectual da Reuters Limited.
Qualquer cópia, republicação ou redistribuição do Conteúdo Reuters, inclusive por armazenamento rápido, enquadramento
ou outros meios semelhantes, estão expressamente proibidas sem o consentimento prévio por escrito da Reuters.
A Reuters não será responsável por quaisquer erros ou atrasos no Conteúdo,
ou por quaisquer medidas tomadas na ocorrência fos fatos ora descritos.