Avião que pegou fogo na Espanha teve superaquecimento em válvula de entrada de ar

Da Redação* Em São Paulo

Atualizado às 10h30

O avião da companhia Spanair, que pegou fogo ontem (20) após tentar decolar no aeroporto de Madri, teve superaquecimento em uma válvula de entrada de ar antes da primeira tentativa de decolagem, informou a empresa. Ainda não se sabe se o problema teve alguma relação com o acidente, que deixou 153 pessoas mortas.

  • EFE

    Parentes das vítimas choram após identificação de corpos em Madri

O porta-voz da empresa, Javier Mendoza, disse que a peça que superaqueceu estava na frente do avião, abaixo da cabine dos pilotos. Técnicos da empresa corrigiram o problema, seguindo um procedimento de rotina, disse Mendoza em entrevista coletiva nesta quinta-feira (21). A companhia aérea repassou o problema com inspetores de Aviação Civil e não encontrou "anormalidade" no processo. Após o problema ter sido "tratado e isolado" pelos funcionários da companhia aérea, o avião foi liberado para voar. Na seqüência, em sua segunda tentativa de decolar, o avião se incendiou.

Mendoza não quis falar em possíveis causas para o acidente, dizendo que isso é responsabilidade das investigações. Ele informou, ainda, que as duas caixas-pretas foram recuperadas, mas uma delas está danificada.

Causas possíveis
De acordo com fontes da Aviação Civil ouvidas pela agência de notícias EFE, o acidente pode ter sido causado por problemas no comando ou no motor direito do avião originados pela falha inicial do motor esquerdo, que fizeram com que o aparelho ficasse bloqueado.


Segundo estas fontes, tudo indica que a falha do motor esquerdo provocou sua ruptura interna, com o desprendimento de peças, que atuaram como "mísseis".

Os fragmentos podem ter prejudicado o comando de direção da parte esquerda do avião ou o motor direito, já que, nesse tipo de aeronave, os motores ficam presos ao comando na cauda.

Excesso de trabalho
O comitê de empresa da Spanair em Palma de Mallorca (Ilhas Baleares), onde fica a sede a companhia aérea, negou que a tripulação que pilotava o avião estivesse com excesso de horas de trabalho.

"Excesso de horas não havia de nenhuma maneira, e sim o excesso de trabalho que há no verão (hemisfério norte), mas totalmente dentro do normal", disse o presidente do comitê de empresa, Jordi Mauri, em declarações à imprensa.

Casal atrasa e escapa de tragédia

    O presidente do governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, prometeu que a investigação do acidente será exaustiva e que serão analisados todos os extremos para obter "conclusões esclarecedoras de causas e circunstâncias da tragédia".

    Após visitar os feridos que estão internados em um centro médico de Madri, Zapatero disse à imprensa que seu governo "velará com todos os meios e garantirá todas as atuações" para determinar as causas e as circunstâncias da tragédia.

    Os bombeiros localizaram hoje os cadáveres dos dois passageiros que ainda não tinham sido encontrados, e que correspondem a um bebê e a um adulto, informou o chefe do serviço de extinção de incêndios do aeroporto de Barajas, Benjamín Olivares.

    Com a localização destes cadáveres, disse, "a princípio, estão resgatadas todas as vítimas" e poderiam se dar por finalizados os trabalhos de busca.

    Identificação dos corpos
    A ministra espanhola do Desenvolvimento, Magdalena Alvarez, afirmou nesta quinta-feira que serão necessários dois dias para identificar os corpos dos mortos. "Até agora, os corpos estão sendo identificados pelas digitais. Mas, alguns deles, terão de ser investigados pelo DNA", disse.

    O Ministério do Interior espanhol informou que dez policiais especialistas em análises de DNA trabalham na identificação dos corpos, muitos dos quais foram carbonizados.

    O acidente
    O acidente ocorreu pouco antes das 15h locais (10h de Brasília), quando o avião, um McDonnell Douglas MD82 da companhia Spanair com destino a Las Palmas, com 164 passageiros e nove tripulantes a bordo, caiu perto de uma das pistas do aeroporto madrilenho de Barajas e pegou fogo.

    Fontes do aeroporto informaram que as equipes de emergência, junto com as forças de segurança do Estado e o corpo da polícia científica desenvolvem trabalhos de "últimos rastreamentos" no local do acidente, em busca de restos mortais que pudessem ter ficado entre os destroços do avião.

    Dezenove feridos seguem internados em hospitais, quatro em estado "muito grave", informaram nesta quinta-feira fontes do Governo regional de Madri.

    Segundo as fontes, dos 19 feridos, oito estão em observação com evolução satisfatória de seu quadro de saúde. Dezoito deles já foram identificados, sendo três crianças. Apenas uma mulher continua sem ser identificada.

    Os corpos já resgatados foram levados ao centro de congressos Ifema, na capital, onde estão reunidos também centenas de parentes. Pelo local passaram nas últimas horas familiares das vítimas para identificar os corpos.

    Muitos dos parentes, visivelmente abalados, tiveram de ser atendidos e acompanhados por alguns dos 70 psicólogos que estão disponíveis no Ifema.

    O avião levava 172 passageiros a bordo (162 passageiros, sendo dois bebês e 20 crianças, e mais dez tripulantes, sendo quatro de movimento e seis de vôo).Veja a lista de passageiros.

    A aeronave saiu da pista no Terminal 4 do aeroporto de Barajas, em Madri (Espanha), nesta quarta-feira (20), depois de fazer um pouso de emergência logo após a decolagem. O piloto tentou voar novamente por alguns metros antes do acidente.

    A Spanair chegou a afirmar que havia 175 pessoas a bordo da aeronave. Sete dos passageiros eram do vôo compartilhado LH 255, da Lufthansa, sendo quatro deles alemães, diz o "El País". O consulado sueco também confirmou dois cidadãos do país entre as vítimas e fonte chilenas declararam ao menos um passageiro dessa nacionalidade.

    Os feridos foram levados a distintos hospitais de Madri. Os hospitais precisaram dar alta a alguns pacientes para conseguir espaço para atender às vítimas do acidente.

    O vôo teria saído com uma hora de atraso, possivelmente por problemas técnicos.

    O diretor comercial da Spanair, Sergio Allar, disse ao "El País" que "é responsabilidade da aviação civil fazer a investigação" sobre o acidente. A empresa diz que o avião, ex-Korean Air, passou por revisão completa em 24 de janeiro e foi usado pela primeira vez em 1993. Já o presidente da companhia aérea escandinava SAS, Mats Jansson, ressaltou que ainda não há respostas sobre as causas do acidente com o avião de sua filial espanhola. "Há muitas perguntas que merecem respostas. Mas, por enquanto, não há respostas", desconversou.

    Para a ministra Magdalena Alvarez, a causa do acidente parece ter sido por "erro na decolagem".

    O sindicato de pilotos SEPLA afirmou ao jornal espanhol que o comandante e o piloto auxiliar moravam em Palmas e estavam "perfeitamente qualificados e tinham muita experiência" no manejo do modelo acidentado.

    Segundo a "Agência Efe", as caixas-pretas do avião foram recuperadas e serão o principal elemento da investigação sobre o acidente mais grave já ocorrido na Espanha desde 1985. Um juiz de Madri comandará de maneira imediata a investigação do acidente e ordenará um relatório sobre o conteúdo das caixas-pretas da aeronave acidentada. Fontes jurídicas informaram à agência que o magistrado foi ao aeroporto, à frente de uma comissão judicial, para averiguar de perto informações sobre o número de vítimas.

    Um funcionário do AENA (Aeroportos Espanhóis e Navegação Aérea) contou ao "El País" que o avião estava todo partido e "cheio de corpo". Segundo outras testemunhas, o motor esquerdo da aeronave pegou fogo logo após deslizar na pista e supostamente colidir no final da via. De acordo com o jornal espanhol, 11 caminhões de bombeiros trabalharam para conter o fogo, que já foi extinto.

    Países se solidarizam

    Governantes do mundo todo declararam solidariedade à Espanha pelo acidente do avião da Spanair, em Madri

    Ao todo, 230 pessoas da equipe de resgate, 170 policiais municipais, 70 bombeiros e cerca de 45 ambulâncias estão no local, além de quatro hospitais de campanha, informa o "El País".

    O incêndio no local gerou uma grande coluna de fumaça e o aeroporto chegou a ficar fechado para pousos e decolagens.

    Nos últimos dez anos, 42 pessoas morreram em acidentes aéreos no país. O último acidente de grandes proporções aconteceu em Bilbao em 19 de fevereiro de 1985, quando morreram 148 pessoas. O pior de todos aconteceu em 27 de março de 1977 no aeroporto de Los Rodeos, em Tenerife, onde o choque de aeronaves matou 583 pessoas.

    * Com informações de "El País", "El Mundo" e das agências internacionais.

    Receba notícias do UOL. É grátis!

    Facebook Messenger

    As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

    Começar agora

    Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

    UOL Cursos Online

    Todos os cursos