Justiça italiana condena piloto que parou para rezar antes de acidente que matou 16

Do UOL Notícias*
Em São Paulo

A Justiça italiana condenou um piloto tunisiano e seu co-piloto a dez anos de prisão por terem parado para rezar em vez de tomarem alguma atitude técnica para evitar um acidente aéreo.

A queda do avião ATR turboprop, em 2005, na costa da Sicília, matou 16 pessoas. Os sobreviventes tiveram de nadar até a praia ou se agarrar em partes da fuselagem.

O mau funcionamento do indicador de combustível também contribuiu para o acidente, mas os promotores culparam o piloto e o co-piloto por terem entrado em pânico e rezado em voz alta em vez de tomarem alguma atitude de emergência.

Outros cinco funcionários da Tuninter, uma subsidiária da Tunisair, também foram condenados a penas que variam de oito a nove anos de prisão.

Os sete acusados, que não compareceram ao tribunal, não serão presos até o julgamento das apelações.

* Com informações da Reuters

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos