Líderes de centro-esquerda discutem em cúpula no Chile soluções progressistas para a crise

Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias Em São Paulo

OS PROGRESSISTAS

  • Alan Marques/Arquivo Folha Imagem

    O presidente Lula...

  • AP

    ...a chilena Michelle Bachelet...


  • AFP

    ...a argentina Cristina Kirchner...

  • AP

    ...o uruguaio Tabaré Vázquez...

  • Reuters

    ...o britânico Gordon Brown...

  • Reuters

    ...o norte-americano Joe Biden...

  • Reuters

    ...e o norueguês Jens Stoltenberg


A conjuntura internacional mudou radicalmente desde a primeira reunião do grupo dos líderes de centro-esquerda, em 1999. Se nas últimas edições da Cúpula da Governança Progressista o grande tema era o avanço da direita na Europa e do conservadorismo republicano nos Estados Unidos, agora a atenção dos participantes reunidos a partir desta sexta-feira (27) em Vinã del Mar, no Chile, se volta essencialmente para a crise econômica.

Na mesa de discussão estarão o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, os socialistas Michelle Bachelet, presidente do Chile, e Tabaré Vázquez, presidente do Uruguai, a peronista Cristina Kirchner, presidente da Argentina, o democrata Joe Biden, vice-presidente dos Estados Unidos, e os trabalhistas Gordon Brown, primeiro-ministro britânico, e Jens Stoltenberg, primeiro-ministro da Noruega.

Juntos, os sete líderes se propõem a tentar achar alternativas progressistas para a crise financeira, que abarquem ao mesmo tempo a recuperação econômica dos países e a proteção aos mais pobres, ao meio ambiente e à democracia.

O resultado das conversas será levado para a cúpula de líderes mundiais do G20, que acontece em seguida em Londres.

Crítica ao neoliberalismo
Segundo os organizadores do evento, as chamadas soluções "verdes", de cunho social e que evitem reações populistas e nacionalistas pretendem servir de resposta e crítica ao "laissez-faire" e à autorregulagem do mercado imposta pelo neoliberalismo, que, para os progressistas, é o responsável pela atual crise econômica.

"Os líderes envolvidos nesta Cúpula têm em comum um desejo de reforma do atual sistema e uma postura de querer achar soluções mais práticas. Por isso, recebem hoje mais atenção do que os demais. A crise fez com que houvesse uma mudança nos perfis das cúpulas e esta ganha mais importância agora do que antes", opina Cristina Pecequilo, professora de Relações Internacionais da Unesp.

Segundo ela, dificilmente o encontro resultará em soluções concretas para crise, mas as declarações conjuntas poderão sinalizar novas políticas e cooperação entre os países envolvidos, com maior participação do terceiro mundo nas decisões mundiais.

Para o cientista político Ricardo Caldas, professor da Universidade de Brasília (UnB), o discurso dos progressistas existe há mais de 30 anos e até hoje não foi colocado em prática. E agora, em sua opinião, não deve ser diferente.

"Não foram encontradas soluções para os combustíveis, o poder segue concentrado na mão dos Estados Unidos, os países não têm o dinheiro necessário para fazer investimentos que visem ao crescimento sustentado", afirma. "Os pacotes anunciados, de trilhões de dólares, para recuperar ativos podres dos bancos só servem para reforçar o poder financeiro de banqueiros. Ou seja, não está havendo mudança."

SOBRE A CÚPULA

  • - A primeira reunião de governança progressista aconteceu em 1999, entre Bill Clinton (EUA), Tony Blair (Reino Unido), Gherard Schröder (Alemanha), Wim Kok (Holanda) e Massimo D'Alema (Itália)
  • - O objetivo era criar um espaço para troca de políticas e práticas de centro-esquerda
  • - A primeira Cúpula oficial aconteceu
    em 2000 em Berlim, com a adesão dos presidentes Ricardo Lagos (Chile) e Fernando Henrique Cardoso (Brasil)
  • - Outras edições da Cúpula aconteceram em Estocolmo (2002), Londres (2003), Budapeste (2004) e Johannesburgo (2006)
  • - Esta é a primeira vez que a Cúpula Progressista acontece na América Latina
Calda diz que momentos de crise são uma oportunidade para mudar, mas as ações propostas pela Cúpula ainda são limitadas. "Busca-se uma nova configuração de poder, mas essa nova realidade ainda não existe. Pode haver pequenas mudanças paliativas, mas não acredito em uma grande mudança estrutural", diz.

O professor destaca, no entanto, que a grande virtude do encontro é reunir líderes que têm em comum o apoio à democracia. "Esse é o maior avanço das esquerdas", explica. "Até pouco tempo a democracia era um meio para se chegar ao socialismo, à redenção, à salvação social ou a qualquer propósito implícito ou explicito. Hoje a democracia é um fim e é valorizada pelo o que ela é: respeito à diversidade, às diferentes opiniões, ao direitos humanos. Antes as esquerdas desprezavam aquilo que chamavam de democracia burguesa. Hoje não existe mais essa divisão, o que existe são governos autoritários e democráticos".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos