Hillary Clinton quer libertação imediata de Nobel da Paz em Mianmar

Do UOL Notícias* Em São Paulo

Atualizado às 18h37

A secretária de Estados dos EUA, Hillary Clinton, pediu nesta quinta-feira (14) que a ditadura militar de Mianmar liberte imediatamente a líder pró-democracia e vencedora do prêmio Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi.

Quem é Aung San Suu Kyi?

  • Arquivo AFP

    Suu Kyi passou mais de 11 dos últimos 19 anos detida sob o regime militar de Mianmar. Aos 63 anos, a líder de oposição e Nobel da Paz de 1991 é símbolo de resistência e luta pela democracia



Suu Kyi é acusada de quebrar as regras de sua prisão domiciliar por supostamente abrigar um norte-americano identificado como John Yettaw em sua casa por dois dias. Yettaw teria cruzado a nado o lago Inya, na capital birmanesa Yangun, e entrado na residência da ativista.

Clinton falou a repórteres na sede do Departamento de Estado americano sobre sua preocupação com a "acusação sem fundamentos" de Mianmar contra Suu Kyi. A secretária de Estado disse acreditar que a junta militar que governa o país asiático esteja atrás de "pretexto" para impor novas restrições à ativista.

Hillary disse ainda que pretende levar a questão à China, uma importante aliada de Mianmar, e à Asean (Associação das Nações do Sudeste Asiático).

A ganhadora do Nobel da Paz será levada a julgamento menos de duas semanas antes do fim da atual pena de prisão domiciliar. Segundo seu advogado, ela pode ser condenada a até cinco anos de detenção.

Partidários de Suu Kyi acusam a junta militar de usar o incidente para mantê-la presa antes das eleições gerais marcadas para o ano que vem.

*Com as agências internacionais

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos