Conselho no Irã convida candidatos derrotados para uma reunião

Do UOL Notícias*
Em São Paulo

O principal corpo legislativo do Irã decidiu convidar os três candidatos derrotados na contestada eleição presidencial da semana passada para um encontro no sábado para discutir suas queixas, disse um porta-voz na quinta-feira.

Mais sobre o Irã

Oposição no Irã convoca dia de luto por mortos em protestos

Novos protestos estão marcados para esta quinta-feira no Irã depois de o oposicionista Mir Houssein Mousavi, que foi derrotado nas eleições da última sexta-feira, ter convocado seus partidários para "um dia de luto" em homenagem aos mortos nas manifestações desta semana.

O porta-voz do Conselho Guardião disse também à rádio estatal que os 12 membros do organismo começaram a examinar cuidadosamente um total de 646 queixas submetidas em conexão com a eleição de 12 de junho, cujos resultados oficiais revelaram a vitória do presidente Mahmoud Ahmadinejad.

O principal rival de Ahmadinejad, o moderado Mir Hossein Mousavi, pediu a anulação do pleito.

O conselho disse que está pronto para recontar as urnas, mas descartou anular a eleição.

Os dois outros candidatos derrotados são o clérigo reformista Mehdi Karoubi e o conservador Mohsen Rezaie, um ex-chefe da Guarda Revolucionária iraniana.

O porta-voz do Conselho Guardião Abbasali Kadkhodai disse que os três candidatos poderão expor suas queixas aos membros do conselho em uma reunião extraordinária no sábado.

As queixas incluirão a falta de cédulas eleitorais, a tentativa de convencer ou forçar pessoas a votar em um candidato em particular e a proibição ou expulsão de representantes de candidatos em locais de votação, afirmou Kadkhodai.

Com restrição a jornalistas, blogs e Twitter informam imprensa sobre situação no Irã


"Nós começamos um exame cuidadoso das queixas comunicadas e a classificação das queixas foi iniciada", explicou à rádio.

O conselho consiste de seis clérigos indicados pelo líder supremo Aiatolá Ali Khamenei e seis juristas islâmicos.

O órgão deve assegurar que todas as leis aprovadas pelo parlamento estão de acordo com a lei islâmica Sharia e a constituição iraniana. O conselho também pode vetar candidatos à presidência e deve aprovar os resultados das eleições.

Pedido de autorização por protesto
A Associação de Clérigos Combatentes, uma das principais plataformas reformistas do Irã, pediu ao Governo que autorize uma grande manifestação no sábado a favor do candidato Mir Hossein Moussavi.

A marcha partiria de uma importante rua da capital Teerã e seguiria até uma praça na zona oeste da cidade, a mesma onde, na segunda-feira, pelo menos sete pessoas morreram num confronto com entre manifestantes e membros da milícia islâmica Basij, afim ao Governo.

Segundo o site pró-reformista "Kalame", o pedido de autorização para o protesto foi feito por carta ao prefeito de Teerã. No requerimento, a Associação de Clérigos Combatentes diz que quer realizar a manifestação das 16h às 19h (9h30 às 12h30 de Brasília).

A previsão é que a marcha conte a com a participação de Moussavi e de membros renomados da organização reformista, como o ex-presidente Mohamed Khatami.

Desde terça-feira, o Ministério do Interior declarou ilegais todas as manifestações a favor de Moussavi. Em outra medida polêmica, também proibiu a cobertura da imprensa estrangeira.

Reunião de reformistas
Nesta quinta-feira, os eleitores do candidato pró-reformista, que denunciou fraudes nas eleições presidenciais da última sexta-feira, devem voltar a se reunir a partir das 16h (9h30 de Brasília).

O local marcado foi uma praça no centro da cidade e, a pedido dos organizadores, muitos devem aparecer de preto para honrar as vítimas dos confrontos no começo da semana.



*Com informações da Reuters e da EFE

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos