Câmara aprova moção de repúdio ao atual governo de Honduras

Da Agência Câmara

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (22) uma moção de repúdio ao gesto do governo de Honduras de cortar água, luz e telefone e de impor um cerco militar contra a embaixada brasileira em Tegucigalpa, onde está abrigado o presidente Manuel Zelaya, deposto por um golpe militar no último dia 28 de junho.

A moção foi proposta pela Mesa Diretora da Casa, com o apoio dos líderes do PT, Cândido Vaccarezza (SP), e do PSOL, Ivan Valente (SP). O presidente Michel Temer (PMDB-SP) disse que a Câmara não poderia deixar de se pronunciar contra a agressão à embaixada, que legalmente é considerada como parte do território brasileiro.

"Toda e qualquer agressão de um Estado contra uma embaixada deve ser repudiada; essa é uma questão de Direito Internacional, pois envolve a preservação da soberania", afirmou.

Vaccarezza reiterou o apoio ao retorno de Zelaya ao governo. "Todos os países da América Latina repudiam o golpe em Honduras. E os Estados Unidos têm tomado posições importantes para impedir o governo golpista de se estabilizar", disse.

O líder do PPS, deputado Fernando Coruja (SC), anunciou que vai requerer o comparecimento à Câmara do ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, para explicar a posição do governo brasileiro antes e depois da chegada de Manuel Zelaya à embaixada.

O deputado Raul Jungmann (PPS-PE) advertiu que a lei brasileira proíbe o asilado de fazer pronunciamentos públicos. "A embaixada brasileira não pode servir de plataforma política para o senhor Zelaya", sustentou. Ele pediu a Celso Amorim que "determine o fim de todo e qualquer pronunciamento de Zelaya".

Já o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) afirmou que "Zelaya não pode usar nossa embaixada como palanque político". Além disso, Bolsonaro questionou a forma pela qual o presidente deposto teria ingressado no prédio. "Tenho a informação de que ele teria entrado no porta-malas do carro de um funcionário da embaixada", disse.

"Não houve golpe em Honduras, como dizem os radicais esquerdizóides; os militares apenas cumpriram uma ordem de reintegração de posse, dada pela Corte Suprema de Honduras para evitar que Zelaya usasse o voto do povo ignorante", afirmou Bolsonaro. Ele acrescentou que, se ocorresse o mesmo no Brasil e o presidente se recusasse a sair, as Forças Armadas daqui também iriam retirá-lo do poder.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos