Governo da Indonésia acredita que 3.000 corpos estão sob escombros em Sumatra

Do UOL Notícias* Em São Paulo

O governo da Indonésia estimou nesta sexta-feira (2) em 3.000 o número de mortos sob os edifícios destruídos pelo terremoto de 7,6 graus na escala Richter que atingiu a ilha de Sumatra há dois dias.

Além disso, segundo fontes do ministério da Saúde, há 715 mortos e 2.400 feridos, embora a ONU calcule 1.100 mortes.

Pelo menos 20 mil edifícios foram derrubados pelo terremoto ou sofreram danos em Padang, capital da província de Sumatra Ocidental, e seus arredores.
  • Wong Maye-E/AP

    Moradora passa diante de estátua destruída por terremoto em Padang, na ilha de Sumatra


Equipes de salvamento da Indonésia e voluntários de outros países trabalham na busca por desaparecidos, no atendimento a desabrigados e na remoção de escombros.

"A situação na cidade de Padang é ruim, mas não devemos esquecer das zonas rurais próximas, onde vilas inteiras ficaram devastadas", advertiu em Genebra a coordenadora de operações da Federação Internacional da Cruz Vermelha, Christine South.

O presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono, pediu paciência aos familiares e amigos dos desaparecidos, e garantiu que "ainda há esperança".

Um menino que estava em uma escola destruída em Padang foi resgatado após 40 horas soterrado sob os escombros e relatou que muitos de seus colegas estavam vivos.

Ajuda internacional
O país solicitou hoje ajuda internacional para as vítimas do terremoto que atingiu na quarta-feira a ilha de Sumatra. "Necessitamos ajuda dos países estrangeiros para que mandem trabalhadores de resgate qualificados e com equipamento moderno", explicou a ministra da Saúde indonésia, Siti Fadilah Supari.

Os governos da Austrália, Coreia do Sul e Japão, entre outros, devem enviar ao lugar pessoal especialista em situações de emergência.

Um terremoto atingiu pela segunda vez o arquipélago da Indonésia na quinta-feira (1º), enquanto as equipes de resgate ainda lutavam para socorrer os sobreviventes do tremor do dia anterior.

Prédios de vários hospitais, mesquitas, escolas e shoppings ficaram em ruínas. Uma transmissão da "TVOne" mostrou imagens de máquinas pesadas tentando romper camadas de cimento em busca de mais de 30 alunos. Pais de estudantes que não retornaram para casa passaram a noite acordados à espera de algum sinal de vida embaixo dos escombros.

"O rosto de minha filha continua aparecendo nos meus olhos, na minha mente. Não consigo dormir, estou esperando vê-la novamente", afirmou uma mulher, identificada apenas como Imelda, à emissora de TV. De acordo com ela, a garota de 12 anos estava na escola para ter aula de ciências. "Ela é uma boa filha e muito inteligente. Eu realmente a amo. Por favor, Deus, ajude-a. Espero que os socorristas possam ajudá-la a sair daqui", acrescentou a mãe, com lágrimas nos olhos.



A agência de meteorologia da Indonésia disse que o tremor inicial de 7,6 graus na escala Richter ocorreu a 50 quilômetros da costa de Padang, no sul da Indonésia, na mesma região em que um tsunami em 2004 provocou a morte de mais de 230 mil pessoas em vários países.

Padang está localizada em uma região de grande atividade sismica chamada "Anel de Fogo", onde a placa Indo-Austrália encontra a placa Eurasia, provocando tremores regularmente e, às vezes, terremotos. O "Círculo de Fogo do Pacífico" é uma zona de grande atividade sísmica e vulcânica que é sacudida por cerca de 7 mil tremores por ano, moderados em sua maioria.

Tsunamis atingem Pacífico Sul; entenda o fenômeno

Artigo explica as causas e os impactos de um tsunami, além de mostrar os esforços dos cientistas para monitorar e prever este fenômeno que, em 2004, matou mais de 200 mil pessoas



Um terremoto de 9,15 graus na escala Richter, com epicentro a 600km a noroeste de Padang, provocou o tsunami de 2004, que causou a morte de 232 mil pessoas na Indonésia, Tailândia, Sri Lanka, Índia e outros países localizados no oceano Índico.

"Padang está localizada em uma área com grande potencial para a ocorrência de um terremoto de 8,9 graus de magnitude", disse Hilman Natawidjaja, um geólogo do Instituto de Ciência da Indonésia, em fevereiro. "A cidade inteira poderia desaparecer em um tsunami provocado por um terremoto dessa magnitude", disse.

Alguns especialistas, no entanto, dizem que a Indonésia precisa adotar mais medidas para reduzir os riscos de uma catástrofe.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos