Obama deveria pressionar Michelletti, diz Marco Aurélio Garcia

Renata Giraldi Da Agência Brasil Em Brasília

O ex-presidente de Honduras Manuel Zelaya completa hoje (21) um mês que está abrigado na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa, capital de Honduras. Para o assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, em entrevista exclusiva à TV Brasil, o ideal seria que o presidente norte-americano, Barack Obama, tivesse uma posição "mais ativa" em busca de um acordo político visando ao fim da crise na região.

Brasil erra em mediação da crise em Honduras, diz ex-secretário da OEA

O ex-secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), César Gaviria, avalia que o governo brasileiro está errando nas negociações para resolver a crise política em Honduras, após a deposição do presidente Manuel Zelaya e instalação de um governo golpista

"Acho que os Estados Unidos poderiam ser mais ativos, portanto, assumir uma posição mais assertiva para pressionar os golpistas", disse Garcia. "Mas a América Latina não é prioridade para os Estados Unidos. É uma região de paz. Não é problema."

Amigo de Zelaya, a quem conhece há anos, Garcia reiterou que o governo brasileiro agiu corretamente ao apoiar o retorno do ex-presidente e abrigá-lo na embaixada brasileira. "Não acho que foi uma fria [a decisão do governo brasileiro de apoiar Zelaya]. Criou uma certa incomodidade, mas os diplomatas sabem que a embaixada não é só para encontros políticos e recepções."

De acordo com o assessor, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ele mesmo e outros integrantes da equipe de governo foram surpreendidos com a chegada de Zelaya à embaixada no mês passado. A informação foi transmitida a eles durante o voo para Nova York, nos Estados Unidos.

A crise em Honduras foi agravada em 28 de junho, quando Zelaya foi deposto por tentar realizar uma consulta popular sobre mudanças constitucionais, consideradas ilegais pela Suprema Corte do país. Entidades internacionais e governos estrangeiros classificaram a deposição de Zelaya como golpe de Estado. Já o grupo que apoia o presidente Roberto Micheletti afirma que o processo é legítimo por contar com a sustentação da Suprema Corte e de outras instituições.

EUA revogam mais vistos para pressionar governo interino de Honduras

Depois de quase quatro meses de negociações de avanços modestos, aumentou a pressão internacional sobre o atual governo, houve protestos, e a crise hondurenha é tema de debates internacionais.

O assunto foi discutido durante entrevista de Garcia. O conteúdo completo da entrevista ao programa 3 a 1, da TV Brasil, irá ao ar hoje (21), às 23h. O assessor foi entrevistado pelos jornalistas Helena Chagas, diretora de Jornalismo da EBC, Roberto Maltchik, repórter da TV Brasil, e Eliane Cantanhêde, colunista do jornal Folha de S.Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos