ONU confirma 16 mortos e 56 feridos no Haiti

Do UOL Notícias*
Em São Paulo

Atualizado às 02h00

A Organização das Nações Unidas confirmou na noite desta quarta-feira (13) que 16 pessoas ligadas à organização morreram no terremoto que atingiu o Haiti. Em uma coletiva de imprensa, o representante das forças de paz Alain Le Roy também afirmou que pelo menos 56 funcionários estão feridos, sete dos quais já foram retirados do país.

Entre os mortos, a ONU registra 11 brasileiros, três jordanianos, um argentino e um chadiano a serviço de uma missão de paz internacional.

Não há confirmação oficial sobre a situação dos outros 150 funcionários da ONU no Haiti que continuam desaparecidos. Contudo, Le Roy ressalta: "no final, [o número de funcionários da ONU mortos] será muito maior, é evidente."
  • EFE / Radio Tele Ginen Haiti

    Mulher se desespera ao ver escombros de casas destruídas pelo terremoto que atingiu o Haiti


Chefe da missão
A contabilização oficial da organização indica como desaparecido o tunisiano Hedi Annabi, chefe da Missão das ONU para Estabilização no Haiti (Minustah).

No entanto, o presidente haitiano, Rene Preval, já anunciou que o corpo de Annabi foi encontrado pelas equipes de resgate.

"O embaixador Annabi morreu. Nós enviamos nossa solidariedade e condolências a toda a comunidade internacional", disse Préval em gravação divulgada por sua assessoria de imprensa. A ONU não confirma a informação.

O presidente haitiano, que está no aeroporto internacional de Porto Príncipe para coordenar a ajuda internacional, se recusou a adiantar um balanço das vítimas do terremoto que estremeceu a ilha no fim da tarde de ontem. "Estamos realizando uma avaliação. Há muitas vítimas, talvez milhares", declarou Préval. "É uma catástrofe extraordinária. Todos os hospitais e necrotérios estão lotados", acrescentou o presidente, que circulou pela cidade para constatar os danos.
  • Stan HONDA/AFP - 21.ago.2006

    A ONU ainda não confirmou a morte do tunisiano Hedi Annabi, chefe da Missão de Paz para Estabilização no Haiti (Minustah)



Rene Preval também disse nesta quarta-feira que o representante especial adjunto da ONU no Haiti, o brasileiro Luiz Carlos da Costa, que estaria junto de Annabi, segue desaparecido, no momento em que as forças estrangeiras no país tentam ajudar milhares de pessoas afetadas pelo terremoto e resgatar suas próprias vítimas.

O secretário-geral da ONU (Organização das Nações Unidas), Ban Ki-moon ainda não confirmou a morte de Rene Preval, mas disse que está muito preocupado com a situação das forças de paz no Haiti. A missão da ONU no país inclui 7.000 tropas mantenedoras da paz, 2.000 membros da polícia internacional, 490 funcionários civis, 1.200 civis locais e 200 voluntários, segundo o subsecretário-geral para Operações de Paz da ONU, Alain Le Roy.

A Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU (OCHA, na sigla em inglês) afirmou nesta quarta-feira que há entre 115 e 200 funcionários estrangeiros da organização desaparecidos no Haiti. "Estamos também muito preocupados com nossos funcionários locais", disse a porta-voz da OCHA Elizabeth Byrs.

O Brasil tem 1.266 militares na Força de Paz da ONU, a Minustah, dos quais 250 são da engenharia do Exército. Os militares já tiveram participação no socorro às vítimas dos furacões de 2004 e de 2008, que atingiram o Haiti. A força foi trazida ao país depois de uma sangrenta rebelião em 2004, que se seguiu a décadas de violência e pobreza. Até agora o governo brasileiro anunciou a morte de pelo menos 11 militares brasileiros.

*Com as agências internacionais

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos