Brasil decreta luto de três dias; governo montará hospital de campanha no Haiti

Luciana Lima
Enviada especial da Agência Brasil
Em Porto Príncipe (Haiti)

O governo brasileiro declarou luto oficial em todo o país, por três dias, que começou a contar ontem (13), em sinal de pesar pelas vítimas do terremoto que destruiu parte do Haiti, na noite de terça-feira (12). O decreto foi publicado no Diário Oficial da União de hoje (14).

Ontem, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva interrompeu a cerimônia de lançamento de ações do governo para a Copa de 2014 para pedir um minuto de silêncio em memória das vítimas do terremoto. Entre elas estava a médica e fundadora da Pastoral da Criança, Zilda Arns, e 14 militares brasileiros. Zilda estava em uma missão humanitária em Porto Príncipe, onde faria uma palestra ontem.

Cerca de 40 pessoas, entre médicos da Aeronáutica e voluntários, já estão a postos no Brasil para embarcar para Porto Príncipe, capital do Haiti, que foi destruída por um terremoto na última terça-feira (12). Eles vão trabalhar no hospital de campanha que o governo brasileiro montará na capital do país caribenho para ajudar no atendimento de feridos. Os três principais hospitais da cidade ruíram com o terremoto, que atingiu 7 graus de magnitude. Pacientes, médicos e enfermeiros foram soterrados.

Além do hospital, o governo brasileiro deverá enviar ao país caribenho kits com medicamentos e ambulâncias para ajudar no resgate dos feridos.

Você Manda - Haiti

Envie relatos, fotos e vídeos sobre o terremoto que atingiu o Haiti

A missão brasileira que chegou ao Haiti ontem (13) para preparar as ações de ajuda humanitária identificou quatro pontos emergenciais: resgate dos corpos, atendimento dos feridos, segurança e ajuda com comida e água para os milhares de haitianos que vagam pelas ruas de Porto Príncipe depois de ter suas casas destruídas.

Hoje (14), o ministro da Defesa, Nelson Jobim, que coordena os trabalhos da missão, detalhará os procedimentos iniciais, acertados ontem em uma reunião em Porto Príncipe com o comandante militar da missão da Organização das Nações Unidas (ONU), general brasileiro Floriano Peixoto Vieira, além de altos oficiais das Forças Armadas.

Nesta quinta-feira, os que integram a missão vão sobrevoar de helicóptero a capital haitiana para verificar a extensão da destruição e as principais áreas atingidas. Ontem, o general Floriano Peixoto disse ao ministro Jobim que as primeiras impressões sobre a tragédia são de destruição total. "Não há área mais afetada. O terremoto destruiu toda a cidade", disse.



Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos