Duas horas após terremoto, militares brasileiros fazem parto de haitiana

Luciana Lima Enviada Especial da Agência Brasil Em Porto Príncipe (Haiti)

Duas horas após o terremoto que destruiu a capital do Haiti, Porto Principe, uma menina nasceu no hospital improvisado por militares brasileiros para atender pessoas que procuraram a Base Charles, onde fica o maior número de militares brasileiros que atuam no Haiti.

Você Manda - Haiti

Envie relatos, fotos e vídeos sobre o terremoto que atingiu o Haiti

De acordo com o capitão médico Fabrício Almeida de Moura, a criança está bem, mas a mãe, haitiana, corre risco de morrer devido a uma hemorragia que não cessa. "Ela não estava ferida. O susto com o terremoto fez com que entrasse em trabalho de parto e tivemos que fazer o parto em uma garagem. A criança está bem, está se alimantando com leite, mas a mãe está com sérias complicações de hemorragia", disse o militar que na noite de quarta-feira (12) coordenava os trabalhos do hospital improvisado.

Cerca de 120 feridos pelo terremoto foram atendidos na base e cerca de 70 permanecem internados. De acordo com o médico, são pessoas que receberam os primeiros socorros, mas que precisam de procedimento cirúrgico. Muitas chegaram com membros completamente destruídos, precisando de amputação. "O problema é que temos pessoas que estão começando a ter febre a a apresentar quadro de infecção. Se não forem atendidas rapidamente, não sobreviverão", disse o médico.



Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos