Famílias dos 14 militares brasileiros mortos aguardam autópsia para pedir indenização

Do UOL Notícias Em São Paulo*

Você Manda - Haiti

Envie relatos, fotos e vídeos sobre o terremoto que atingiu o Haiti

A liberação dos corpos dos 14 militares brasileiros mortos no terremoto de terça-feira (12) no Haiti deve demorar. É que esses corpos precisam passar por autópsia, que será realizada pela Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah).

Só depois desse procedimento as famílias dessas vítimas terão direito a indenização.

O número de mortes confirmadas entre os militares brasileiros que atuam no Haiti subiu para 14, informou o Exército nesta quinta-feira (14). Com isso, chegam a 15 as mortes de brasileiros após o terremoto que devastou o país caribenho na terça-feira.

Além dos militares, que faziam parte da missão de paz da ONU no Haiti, a fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, Zilda Arns, também morreu na tragédia. Ela visitava o país para uma série de palestras. O corpo de Zilda Arns deve ser transportado hoje para o Brasil em um avião da FAB.

O diplomata brasileiro Luiz Carlos da Costa, funcionário da ONU e segundo civil mais importante na hierarquia da Minustah, como é chamado a missão de paz da entidade, continua desaparecido.

Costa estaria dentro do prédio-sede da missão da ONU, que desabou. Outros quatro militares que estavam no local no momento da tragédia também estão desaparecidos.

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, chegou ao Haiti na noite de quarta-feira e uma aeronave da Força Aérea Brasileira com 13 toneladas de suprimentos partiu do Rio de Janeiro na noite de quarta e deve chegar ao Haiti na manhã desta quinta.

Um país devastado

  • Caio Guatelli/Folha Imagem

    Vista aérea da cidade de Porto Principe mostra região atingida por terremoto de 7 graus

Não há informações sobre o número total de mortos, mas o presidente haitiano, René Préval, disse que a cifra pode chegar a 50 mil, após o pior terremoto que atingiu o Haiti em mais de 200 anos.

Muitos moradores da capital Porto Príncipe, desabrigados ou com medo de novos tremores, dormiram em lugares abertos, muitos deles próximos a escombros e corpos.

Vários países já prometeram ajuda financeira e equipamentos ao país atingido. Levantamento feito pelo UOL Notícias aponta para um montante de pelo menos US$ 151 milhões.





*Com informações da Agência Brasil e Reuters

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos