Zelaya deixa a Embaixada do Brasil em Honduras e chega à República Dominicana

Do UOL Notícias*

Em São Paulo

Atualizado às 00h29

O ex-presidente de Honduras, Manuel Zelaya, aterrissou na noite desta quarta-feira (27) na República Dominicana horas depois de ter deixado a embaixada do Brasil em Tegucigalpa e da posse do novo presidente hondurenho, Porfirio Lobo.

Zelaya desembarcou na Base Aérea de San Isidro, próxima a Santo Domingo, pouco depois das 20h (22h de Brasília), junto com o presidente dominicano, Leonel Fernández.

O ex-presidente hondurenho, derrubado por um golpe em 28 de junho do ano passado, deverá ficar pouco tempo na República Dominicana, de onde seguirá para o México, onde ocupará sua cadeira no Parlamento Centro-Americano (Parlacen).

Manuel Zelaya deixou a Embaixada do Brasil em Honduras após quatro meses de confinamento político e partiu na companhia do recém-empossado presidente, Porfírio Lobo. Além do carro que levou Zelaya, uma caravana de cerca de 20 veículos o seguiram até o aeroporto de Tegucigalpa de onde partiu rumo à República Dominicana às 15h30 (19h30 no horário de Brasília).

Zelaya pôde deixar o país depois que o novo presidente assinou, logo após a cerimônia de posse realizada nesta quarta-feira, um decreto que concedeu anistia política a todos os envolvidos no golpe de junho de 2009.

Mesmo expulso do país pelos militares golpistas, Zelaya voltou para Honduras no dia 21 de setembro e pediu abrigo na representação brasileira, onde ficou com o status de “convidado” até esta quarta-feira.

Desde cedo, soldados fortemente armados do Exército hondurenho cercaram o quarteirão onde fica a Embaixada do Brasil, no centro de Honduras. Por volta do meio-dia (horário local) uma caminhonete levando as malas para Zelaya e sua família entrou na área de segurança da representação brasileira.

Anistia aos golpistas
A anistia foi aprovada nesta terça-feira (26) pela maioria composta pelo Partido Nacional, de situação, que tem 71 deputados, mais um da Democracia Cristã e um do Partido Liberal, na primeira sessão de trabalho do Congresso, de 128 cadeiras, que foi constituído na segunda-feira, para um período de quatro anos.

Segundo o decreto, a anistia abrange os delitos de "traição à pátria, delitos contra a forma de governo, terrorismo, perturbação (todos do Código Penal), qualificados como delitos políticos".

Além deles, foi concedida anistia para vários "delitos comuns conexos", como usurpação de funções, delitos cometidos contra o exercício dos direitos garantidos pela Constituição, desobediência, abuso de autoridade e violação dos deveres dos funcionários.

A resolução parlamentar, que não informa os nomes das pessoas que serão beneficiárias pela anistia, somente os delitos que abrange, entrará em vigor 20 dias após sua publicação no diário oficial "A Gazeta".

* Com agências internacionais
 

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos