Dependência econômica impede tensão maior entre EUA e China, dizem especialistas

Carlos Iavelberg

Do UOL Notícias
Em São Paulo

A tese elaborada há mais de cinco anos pelo economista norte-americano Fred Bergsten de que o G2, um bloco formado por Estados Unidos e China, será o principal ator internacional neste início de século 21 tem recebido cada vez mais apoio de analistas. Essa convicção, porém, se viu abalada depois que os dois países se envolveram em quatro polêmicas em um intervalo de menos de dois meses (veja infográfico). Mas até que ponto essas polêmicas podem realmente prejudicar as relações entre os dois países?

 

Segundo Cristina Pecequilo, professora de Relações Internacionais da Unesp e autora do livro "A política externa dos EUA" , a China elevou nos últimos dias o tom contra os Estados Unidos porque considera que os norte-americanos estão interferindo em assuntos domésticos chineses: Taiwan (no caso da venda de armas) e Tibete (já que o presidente norte-americano, Barack Obama, confirmou que receberá o dalai-lama).

Sobre Taiwan, a professora acredita que a decisão dos Estados Unidos faz parte de uma concepção que os norte-americanos têm de “incomodar” a China, o único país atualmente capaz de atrapalhar sua hegemonia no mundo. Já no caso do Tibete, o motivo seria ideológico. “É uma tradição da política externa dos Estados Unidos levarem a democracia pelo mundo”, afirma Pecequilo.

  • EUA tocam em temas sensíveis à China, diz colunista do UOL Notícias em Paris

Especialistas ouvidos pelo UOL Notícias acreditam que pouca coisa deve mudar na relação entre os dois países e os motivos para isso são dois: o primeiro, é que esse tipo de polêmica faz parte do jogo político internacional. O segundo, e principalmente, é o fato de existir uma forte dependência econômica entres os dois países.

“Eles [China e Estados Unidos] reclamam um do outro, mas isso não muda as relações entre os dois. Faz parte do jogo político. Mas, obviamente, há um desgaste natural”, acredita a professora.

Fator econômico

O principal fator apontado pelos especialistas para justificar que essas polêmicas diplomáticas devem ter poucos resultados na prática é a grande dependência que as economias dos dois países têm uma da outra.

“Existe uma dependência econômica entre os dois países. A China financia a dívida norte-americana e os Estados Unidos compram os produtos chineses”, explica a professora Pecequilo. Atualmente, a China é a maior detentora estrangeira de títulos públicos americanos, enquanto que os Estados Unidos são os maiores compradores de produtos chineses.

Para o historiador econômico Niall Ferguson, essa dependência é tão grande, que ele criou o termo “Chimérica” para explicar que, na verdade, as duas economias são uma só.

Apesar da dependência, Rubens Barbosa, ex-embaixador do Brasil nos EUA entre 1999 e 2004, adverte: “Os Estados Unidos não podem engrossar [o discurso] porque a China pode prejudicar a economia norte-americana”.

Guerra Fria?

Em recente reportagem, o jornal espanhol “El País” perguntava se as tensões entre China e Estados Unidos poderiam desencadear uma nova Guerra Fria.

A professora Pecequilo é enfática ao afirmar que não existe esse risco. “A China não tem condições de fazer frente aos Estados Unidos”, afirma. Já Barbosa opina que, por enquanto, não há porque se preocupar com um possível conflito bélico. “Vai continuar existindo essa rivalidade entres os dois países, mas deve ficar restrita às áreas política e econômica, não deve chegar à área militar. Se isso vier a acontecer, será mais para a frente”, acredita.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos