"Jihad Jane" declara-se inocente das acusações de terrorismo e conspiração em corte dos EUA

Do UOL Notícias*
Em São Paulo

  • Fox News/AFP

    Colleen LaRose, norte-americana acusada de colaborar com grupos terroristas islâmicos

    Colleen LaRose, norte-americana acusada de colaborar com grupos terroristas islâmicos

A americana Colleen LaRose, 46, autodenominada "Jihad Jane" e "Fátima LaRose”, declarou-se nesta quinta-feira (18) inocente das acusações de que ela teria fornecido suporte material para terroristas e de ter conspirado com outros na Internet para matar o cartunista sueco Lars Vilks, que desenhou o profeta Maomé com o corpo de um cachorro. Ela compareceu à Corte Federal na Pensilvânia (EUA).

La Rose foi presa no dia 15 de outubro de 2009, na Filadélfia, e conduzida ao Centro de Detenção Federal, onde permanece detida. Ela ainda é acusada por ter feito declarações falsas a um oficial do governo e por falsificação de documentos.

A americana e mais cinco homens estão sendo incriminados por recrutar via internet militantes para uma “jihad (Guerra Santa islâmica) violenta no sul da Ásia e na Europa”.

Se condenada, LaRose pode pegar prisão perpétua e ter que pagar uma multa no valor de US$ 1 milhão.

A conspiração começou em junho de 2008, quando LaRose postou um comentário no YouTube, sob o apelido de “JihadJane”, dizendo estar “desesperada para fazer alguma coisa pra ajudar os muçulmanos”, de acordo com a acusação.

De dezembro de 2008 a outubro de 2009, LaRose se envolveu em uma comunicação eletrônica com os cinco co-conspiradores compartilhando seu desejo de realizar a jihad e se tornar mártir.

Os planos desenvolvidos pelos supostos conspiradores envolviam a transferência de dinheiro para terroristas e o envio de passaportes roubados e outros documentos para que os criminosos pudessem entrar em países do ocidente sem enfrentar problemas.

Segundo autoridades norte-americanas, LaRose foi bem sucedida na sua iniciativa de recrutar aliados para a sua causa. Ela também conseguiu levantar quantia considerável de dinheiro e estabelecer contato com jihadistas no sul da Ásia, Europa Ocidental e Europa Oriental. A acusação, contudo, não aponta ligação dela com organizações terroristas específicas.

LaRose também teria recebido uma ordem para matar um cidadão residente da Suécia de um modo que "assustasse todo o mundo". Embora o alvo do ataque não tenha sido divulgado, segundo um funcionário do Departamento de Justiça ele seria o cartunista sueco Lars Vilks, que em 2007 fez desenhos satirizando o profeta islâmico Maomé.

Ainda de acordo com a acusação, LaRose e os outros conspiradores acreditavam que a aparência e a cidadania norte-americana os ajudaria a realizar seus planos. A acusada teria até concordado em casar com um dos conspiradores para obter o visto de residente em um país europeu.

LaRose também teria feito uma viagem para a Europa com o objetivo de assassinar o alvo na Suécia, mas não conseguiu realizar seu objetivo. Duas semanas depois ela foi presa.

*Com informações da CNN e da Reuters.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos