Quase 80 jornalistas foram assassinados em todo o mundo em 2009, revela Unesco

Renata Giraldi
Da Agência Brasil
Em Brasília

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) informou hoje (25) que apenas no ano passado o órgão condenou publicamente a morte violenta de 78 jornalistas. De acordo com a Federação Internacional de Jornalistas, 2009 foi um dos anos “mais sangrentos” da história recente. As Filipinas, onde ocorreram 37 mortes, lideram o ranking da violência contra profissionais de imprensa. Em seguida vem o Iraque, que registrou 15 assassinatos. Na América Latina, o México teve 13 mortes confirmadas em apenas um ano.

Ontem (24) a Unesco condenou os ataques a jornalistas ocorridos em Honduras – houve três assassinatos em um mês – e no México – onde só no ano passado 13 profissionais de imprensa morreram durante o trabalho de apuração relativo aos grupos guerrilheiros que atuam na região.

Os dados da Unesco mostram que, em geral, as ameaças e mortes ocorrem em países em que não há conflitos armados. A maior parte dos crimes, de acordo com o organismo, tem relação direta com o tráfico de drogas, a violação de direitos humanos e a corrupção.

Em 2008 e 2009, 125 jornalistas foram assassinados. Nos dois anos anteriores, 122 profissionais de imprensa morreram. As vítimas, em geral, são homens (95%) e profissionais locais que lidam com temas próximos à população. Há poucas referências sobre mortes de correspondentes estrangeiros.

O Brasil não é mencionado no relatório divulgado hoje. Mas, no país, um dos casos emblemáticos de violência contra profissionais de imprensa ocorreu em 2002. O episódio provocou a morte do jornalista Arcanjo Antonino Lopes do Nascimento, conhecido como Tim Lopes, de 52 anos.

Funcionário da TV Globo, Tim Lopes apurava uma denúncia sobre a ação de traficantes na Vila Cruzeiro, no subúrbio do Rio de Janeiro, quando foi rendido. Antes de matarem o jornalista, os traficantes promoveram seu julgamento. Investigações policiais mostraram que ele foi torturado antes de morrer e levou golpes de espada. Seu corpo foi queimado.

A Federação Internacional de Jornalistas editou um manual de segurança destinado aos profissionais que lidam com temas considerados de risco. Também criou um Fundo de Solidariedade, que tem o objetivo de manter um caixa fixo para dar apoio aos jornalistas que são ameaçados pelo tipo de trabalham que realizam.

Com apoio da Unesco, a federação comanda uma campanha mundial para que os países onde há o maior número de ataques a jornalistas se comprometam de maneira concreta a combater a impunidade e a insegurança.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos