Militares dos EUA atiraram contra civis no Iraque, mostra vídeo divulgado na internet

Do UOL Notícias*

Em São Paulo

Um vídeo divulgado na internet nesta segunda-feira (5), no qual militares norte-americanos aparecem disparando indistintamente contra crianças e pessoas desarmadas, pode provar que o Exército dos Estados Unidos se omitiu sobre os eventos de 12 de julho de 2007, quando mais de dez iraquianos morreram e duas crianças ficaram feridas em uma ofensiva militar.

  • wikilieaks

O vídeo em preto e branco é acompanhado pelo áudio da conversa dos militares norte-americanos durante a operação. É possível ver um grupo andando pelas ruas de Bagdá (Iraque), em seguida se ouve os pilotos identificando-os como rebeldes e as pessoas são baleadas. Em terra, uma van aparece para resgatar os feridos e também é bombardeada.

Ao todo, mais de dez pessoas morrem, entre as quais o fotógrafo da agência Reuters Namir Noor-Eldeen, 22, e seu piloto, Saeed Chmagh, 40. Duas crianças ficam seriamente feridas.

“Reuters tem tentado ter acesso ao vídeo pelo Ato de Liberdade de Informação, sem sucesso, desde a época do ataque. O vídeo, feito do ponto de vista de uma arma de um helicóptero Apache, claramente mostra um massacre sem provocação de um funcionário da Reuters ferido e daqueles que foram resgatá-lo”, afirma o site wikilieaks.org, que divulgou o vídeo.

Militar visualiza jornalista da Reuters com câmera e imagina que é um rebelde

  • wikilieaks

Câmera fotográfica na mão do fotógrafo é confundida com arma

  • wikilieaks

Militar pede para atirar quando alguém tenta levar repórter ferido para uma van

  • wikilieaks

Após disparos, uma menina ferida é tirada da van e levada no colo por um militar

  • wikilieaks

Versão dos militares

No dia seguinte ao ataque, o Exército americano explicou a morte dos funcionários da agência como parte de um confronto entre suas tropas e insurgentes.

De acordo com os militares, os helicópteros se encaminharam para o local para dar apoio a uma equipe em terra que combatia tropas insurgentes munidas de armas de fogo e lança-granadas. De cima, os pilotos teriam visto pessoas armadas no chão e levado o massacre adiante.

Uma investigação militar posterior concluiu que um conjunto de lentes de longo alcance para uma máquina fotográfica tinham sido confundidos  na ocasião com um lança-granadas.

Os militares concluíram que a ação foi “adequada”, uma vez que os fotógrafos teriam se misturado com insurgentes, e sua diferenciação foi dificultada pela presença dos equipamentos, de acordo com documentos referidos pela agência AP.

O site que publicou o vídeo afirma que recebeu o material em sigilo e fez todos os esforços para comprovar a autenticidade do vídeo. Uma autoridade militar veterana, que pediu para não ser identificada, confirmou à agência AP que a gravação é autêntica.

Durante a gravação, é possível ouvir os militares zombando das pessoas alvejadas. “Ah, yeah, olha só esses malditos mortos. Bacana”, um atirador afirma.

Quando as tropas do solo chegam ao local, encontram duas crianças dentro da van bombardeada. É possível ver as crianças sendo carregadas por militares e um soldado afirma que elas deveriam ser levadas a um hospital.

“Bem, é culpa deles se trazem suas crianças para a batalha”, afirma uma voz no cockpit.

*Com agências internacionais e BBC

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos