Governo do Paraguai reforça esquema de segurança na fronteira com Brasil após atentado contra senador

Fabiana Uchinaka
Do UOL Notícias*
Em São Paulo

O chefe do Gabinete Civil da Presidência do Paraguai, Miguel López Perito, afirmou nesta terça-feira (27) que o esquema de segurança na cidade de Pedro Juan Caballero, capital do departamento de Amambay (Paraguai), na fronteira com o Mato Grosso do Sul, foi redobrado depois do atentado contra o senador paraguaio Robert Acevedo, na noite de ontem. 

A cidade está incluída no grupo de departamentos (estados) mantidos sob estado de exceção, em decorrência da violência e da ação de narcotraficantes, que dominam a região. “É uma operação complexa. Há prioridades, há fases neste processo e espero que a operação militar leve efetivamente à neutralização das atividades criminosas na área”, declarou Perito.

Departamentos em estado de exceção

  • UOL Arte

Hoje, o governo do Paraguai confirmou que dois brasileiros --Nevailton Marcos Cordeiro Pereira e Eduardo da Silva-- foram presos na região, suspeitos de tentar matar o parlamentar. Eles estavam em uma casa do bairro de Obrero e serão interrogados pela polícia local. De acordo com a TV Telefuturo, os brasileiros pertencem à facção criminosa paulista PCC (Primeiro Comando da Capital).

Segundo a secretaria de Comunicação da Presidência do Paraguai, os detidos "vieram de lugares distantes" de Pedro Juan, mas viviam em uma casa alugada na cidade. No local, foram encontrados sete veículos "de origem duvidosa".

"Nós fizemos incursões em duas casas [de Pedro Juan], onde encontramos estes dois brasileiros. Ao lado da casa, estavam sete veículos, alguns com chapa de São Paulo. Três das chapas foram adulteradas do Paraguai", disse a promotora Lourdes Peña.

A Polícia Federal (PF) brasileira disse que ainda não foi informada das prisões, mas que vai dar todo o apoio e as informações necessárias à polícia paraguaia. Segundo a PF, há cerca de dez anos o PCC ocupa áreas do Paraguai, que foram transformadas em pontos de fuga para criminosos brasileiros.

O ministro do Interior paraguaio, Rafael Filizola, o vice-ministro de Segurança, Carmelo Caballero, e o ministro de Obras, Efraín Alegre, estão na cidade para acompanhar o caso. 

Em nota, o presidente paraguaio Fernando Lugo informou que o governo “rejeita todas as formas de violência e assinala que os ataques criminosos reforçam a convicção de prosseguir no combate à criminalidade”.

Tenho que deixar a cidade, diz senador
Em entrevista à TV Telefuturo, da clínica onde está internado, Acevedo contou que “por um milagre de Deus não estou como os companheiros que estavam comigo, executados em pleno centro”. O motorista Floriano Alonso e o policial Richard Martinez, que protegiam o parlamentar, morreram no ataque.

O senador afirmou que um motociclista o ajudou a chegar até uma farmácia, em frente à clínica San Lucas, onde ele ficou escondido até que os criminosos fossem embora. Só então, cruzou a rua e foi atendido no hospital. Ele foi ferido no braço e no rosto.

Para o parlamentar, o ataque foi uma resposta do tráfico às constantes denúncias que ele faz contra o narcotráfico e a venda ilegal de madeira. "Se quero continuar vivo, tenho que deixar esta cidade. Aqui vão continuar com esse tipo de coisa. É pouco para poder enfrentá-los. Estamos parecendo uma cidade do México", falou.

José Carlos Acevedo, prefeito da cidade e irmão do senador, afirmou à rádio Nandutí AM que grupos ligados ao tráfico de drogas ofereceram entre US$ 300 mil e US$ 500 mil pela cabeça de Robert. O atentado, segundo ele, deveria acontecer durante a viagem do senador a Assunção ou a Pedro Juan.

“A informação que temos é de que um grupo se reuniu e pagou pelo crime”, disse. Ele lembrou ainda que os traficantes tentaram matar, em dezembro do ano passado, Ramon Cataluppi, diretor de Trânsito de Pedro Juan e homem de confiança da família Acevedo. No atentado, o funcionário foi atingido por 14 tiros, perdeu um dedo e uma perna.

Segundo ele, cada pessoa envolvida teria entrado com uma parte do dinheiro para pagar os criminosos, que usaram uma caminhonete prata Ford Ranger para atirar contra o carro do senador. A caminhonete foi abandonada perto de uma escola da cidade.

O prefeito afirmou ainda que por pouco seu irmão não foi vítima de criminosos que operam em Amambay, na fronteira com o Mato Grosso do Sul, e no Brasil. “Não se controla nada. A fronteira terrestre é permeável. Muita gente de fora se esconde ali”, disse.

* Com informações da Agência Brasil.
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos