Irã, Battisti e Venezuela marcam diferenças nas linhas de política externa de Serra e Dilma

Maurício Savarese e Thiago Chaves-Scarelli
Do UOL Notícias
Em São Paulo

A visita que Luiz Inácio Lula da Silva realiza neste final de semana ao Irã é parte de uma intensa agenda externa que encerra oito anos de mandato. Mas o país presidido por Mahmoud Ahmadinejad não deve sair tão cedo da agenda brasileira. O Irã ainda pode entrar na campanha presidencial no Brasil e ser um elemento para marcar as diferenças entre os principais candidatos ao Planalto, ao lado de outros temas polêmicos como a extradição do italiano Cesare Battisti e a relação brasileira com a Venezuela presidida por Hugo Chávez (veja infográfico abaixo). A partir desse cenário, o que podemos esperar da política externa dos dois principais nomes para chefiar próximo governo?

De acordo com as fontes ouvidas pelo UOL Notícias, a política externa é justamente uma área em que ficam evidentes algumas das diferenças de programa entre o ex-governador José Serra (PSDB) e a ex-ministra Dilma Rousseff (PT), os dois pré-candidatos que lideram as pesquisas de intenção de voto.

Dilma tem como seu coordenador de campanha o homem que assessora Lula em questões internacionais. O professor Marco Aurélio Garcia é um dos mentores da política externa mais aberta a países asiáticos e africanos, defensora do diálogo mesmo com regimes que violam direitos humanos e focada no fortalecimento do grupo de economias emergentes – em especial China, Índia, África do Sul e Rússia.

A pré-candidata petista já deu palavras de sustentação em movimentos polêmicos da política externa do governo Lula. Depois da morte de um cubano que fez greve de fome contra o regime dos irmãos Castro, a ex-ministra, disse que os opositores na ilha caribenha têm “acesso fácil à mídia”, uma vez que a imprensa internacional publica entrevistas com eles.

Também é defensora de mais atenção para países de continentes antes negligenciados: disse isso em 2008, no Vietnã, depois de tirar foto ao lado do general Vo Nguyen Giap – herói da resistência contra os Estados Unidos. É favorável à autodeterminação das nações e ao reforço de laços estratégicos com a França, como no caso dos bilionários programas militares negociados por Lula e o presidente Nicolas Sarkozy.

Irã vira refúgio de terroristas da Al Qaeda

Apoiou em 2008 o envio do diplomata José Mauricio Bustani para a embaixada de Paris – o mesmo que no primeiro ano da gestão petista foi fixado em Londres como provocação às potências que promoveram a invasão do Iraque. Bustani foi removido da Organização para Proibição de Armas Químicas (OPAQ) por dizer que não havia armas desse tipo no país governado pelo ditador Saddam Hussein (1937-2006).

Serra afirmou que respeitará a autodeterminação dos povos, mas indicou que critérios de direitos humanos também pesarão no nível da relação que terá com outros mandatários se eleito. Um de seus coordenadores de campanha, Andrea Matarazzo, também é ligado a assuntos internacionais, como é o caso de Dilma.

Antes adversário da união aduaneira Mercosul, Serra afirmou que não quer acabar com o grupo, mas sim flexibilizar condições atuais. O tucano também já declarou que a presença da Venezuela no bloco é “insensatez”.

Entre os emergentes, seu melhor relacionamento é com a Índia – país que o ajudou, quando no Ministério da Saúde, na gestão de Fernando Henrique Cardoso, a formatar a quebra de patentes que viabilizou o programa brasileiro de remédios genéricos. No governo de São Paulo, viabilizou investimentos junto a chineses e japoneses.

“Sabemos que ele conversa com asiáticos e com potências europeias em boas condições, mas é fato que existe medo de que um presidente mais distante de Lula tire a proeminência internacional que o Brasil tem conquistado”, disse um diplomata das Nações Unidas no Brasil que preferiu não se identificar.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos