Hillary Clinton pede resposta 'dura' da comunidade internacional à Coreia do Norte

Do UOL Notícias*

Em São Paulo

  • Saul Loeb/AFP

    A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, foi recebida na manhã desta quarta-feira em Seul (26) pelo presidente sul-coreano Lee Myung-Bak

    A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, foi recebida na manhã desta quarta-feira em Seul (26) pelo presidente sul-coreano Lee Myung-Bak

Em viagem à Coreia do Sul, a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, disse nesta quarta-feira (26) que a comunidade internacional precisa dar uma resposta dura à Coreia do Norte, após o afundamento de um navio sul-coreano no último mês de março.

Em pronunciamento na cidade de Seul, Hillary disse que havia provas "esmagadoras" de que a Coreia do Norte afundou o navio Cheonan com um torpedo e exigiu que Pyongyang suspenda sua política beligerante. "Esta foi uma provocação inaceitável da Coreia do Norte e a comunidade internacional tem uma responsabilidade e um dever de responder", afirmou Hillary.

A secretária de Estado norte-americana chegou à Seul depois que a Coreia do Norte cortou relações com o país e baniu os navios sul-coreanos de suas águas territoriais, em resposta à acusação e às sanções anunciadas por Seul.

Coreia do Sul acusa vizinho de torpedear navio militar e matar 46 pessoas

Na última parada da visita de uma semana à Ásia, Hillary se reuniu nesta manhã com o ministro do Exterior sul-coreano Yu Myung-hwan e com o presidente Lee Myung-bak.

No início da semana, a Coreia do Sul anunciou a suspensão do comércio com o norte e afirmou que ia levar o caso ao Conselho de Segurança da ONU. Seul busca uma forte resposta internacional para o ataque contra seu navio no dia 26 de março.

Segundo a BBC, o governo sul-coreano quer conhecer detalhes sobre os dois dias de encontro de Hillary com as autoridades chinesas, em Pequim. A secretária de Estado vinha pressionando a China para se juntar à condenação internacional, mas Pequim adotou uma postura cautelosa, pedindo calma, afirma Sudworth.

Nesta quarta-feira, o vice-ministro do Exterior chinês Zhang Zhijun afirmou que seu país ainda está avaliando as informações sobre o incidente com o Cheonan.

Os Estados Unidos, no entanto, demonstraram confiança no relatório compilado por especialistas internacionais, que na semana passada concluiu que o navio sul-coreano foi afundado por um torpedo norte-coreano. Hillary afirmou que as provas encontradas são contundentes, mas Zhang Zhijun decidiu apostar no diálogo para resolver a crise entre os dois vizinhos. "Sempre acreditamos que o diálogo é melhor do que uma condenação", afirmou Zhijun.

Exercícios militares
Com a crescente tensão entre as Coreias, o norte reagiu duramente às sanções comerciais e marítimas anunciadas pelo sul.

Nesta quarta-feira, a Coreia do Norte afirmou que ia fechar uma estrada que atravessa a fronteira, com forte presença militar, caso a Coreia do Sul retome suas transmissões de propaganda na região, suspensas seis anos atrás.

Mais cedo, Pyongyang afirmou que responderia a Seul com sanções equivalentes, além de cortar as poucas linhas de comunicação entre os dois governos. O espaço aéreo e as águas territoriais norte-coreanas foram fechados aos navios e aviões sul-coreanos.

Raio-x da Coreia do Sul:

  • Nome oficial: República da Coreia
    Capital: Seul
    Tipo de governo: República
    População: 48.508,972
    Idiomas: Coreano e inglês (estudantes)
    Grupos étnicos: Homogêneo (exceto pelos cerca de 20 mil chineses)
    Religiões: Cristãos 26.3% (protestantes 19.7%, católicos romanos 6.6%), budistas 23.2%, outras ou desconhecidas 1.3%, nenhuma 49.3%
    Fonte: CIA Factbook

Tecnicamente, os dois Estados permanecem em guerra desde que o conflito da Coreia terminou em 1953 sem armistício. Tanques K1 sul-coreanos podiam ser vistos na terça-feira, realizando exercícios em preparação para um possível ataque surpresa da Coreia do Norte.

Acusação
Na quinta-feira (20), a Coreia do Sul acusou formalmente Coreia do Norte de atacar o navio sul-coreano Cheonan em 26 de março, em uma região disputada do Mar Amarelo. Uma investigação internacional sobre as causas do afundamento do Cheonan concluiu na semana passada que o submarino norte-coreano disparou um torpedo contra a embarcação.

O afundamento da corveta de 1.200 toneladas, perto da fronteira marítima com a Coreia do Norte, provocou a morte de 46 dos 104 marinheiros sul-coreanos. Foi o incidente mais grave ocorrido na disputada fronteira marítima do Mar Amarelo entre as duas Coreias desde o fim da guerra entre as duas nações, em 1953.

A retórica agressiva tem assustado investidores, mas analistas duvidam que a Coreia do Norte ouse ir à guerra, pois sabe que suas forças são tecnicamente inferiores às do vizinho.

Brasil
O governo brasileiro expressou nesta terça-feira "grande preocupação" em relação ao ataque da Coreia do Norte. Segundo comunicado divulgado pelo Itamaraty, o Brasil "lamenta profundamente o episódio, que potencialmente pode constituir uma ameaça à paz na região, e se solidariza com o governo [sul] coreano e com as famílias das vítimas pelas irreparáveis perdas sofridas."

Finalmente, o Brasil convida "as partes envolvidas a absterem-se de quaisquer atos que ponham em risco a estabilidade da Península Coreana".

*Com informações das agências EFE e BBC
 

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos