Explosão assusta comitiva de Ahmadinejad e levanta suspeita de atentado; governo nega

Do UOL Notícias*

Em São Paulo

Uma explosão próxima à comitiva do presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad, na cidade de Hamadan, no oeste do Irã, levantou suspeitas de atentado contra o líder do país nesta quarta-feira (4). Porém as informações são conflitantes. Segundo a emissora de TV Al Arabiya, baseada em Dubai, uma granada teria atingido um veículo com jornalistas e membros do governo e deixado várias pessoas feridas. Já a agência de notícias iraniana Isna afirma que a explosão foi provocada pelo estouro de fogos de artifício para celebrar a visita de Ahmadinejad a Hamadan.

O governo iraniano também desmentiu que Ahmadinejad tivesse sofrido uma tentativa fracassada de atentado, como afirmou o portal da internet Khabaronline. O site conservador afirmou que uma "granada" explodiu durante a passagem da comitiva de Ahmadinejad em Hamedan, mas não provocou vítimas. O Khabaronline também disse que o carro em que Ahmadinejad viajava estaria a cerca de cem metros de distância do local onde a granada teria explodido e provocado "muita fumaça".

No entanto,  segundo verificou a reportagem do UOL Notícias, a notícia sobre o suposto ataque já não constava no site às 8h20 (horário de Brasília).

A agência de notícias France Presse também cita um funcionário anônimo do governo iraniano, segundo o qual as explosões ouvidas próximas ao comboio teriam sido provocadas por fogos de artifício. Porém, outras fontes do governo, desta vez consultada pela agência de notícias Reuters, confirmaram o ataque contra o comboio de Ahmadinejad.

Ahmadinejad fez um discurso transmitido pela TV iraniana em um estádio de Hamedan logo após o incidente e não fez menção ao suposto atentado. O presidente iraniano não parecia estar ferido, segundo as agências iranianas Irna e Mehr. O discurso de Ahmadinejad faz parte de uma viagem que realiza por diversas cidades do país para explicar sua política, segundo a agência oficial Isna.

Hamadan, a 340 km a oeste de Teerã, não é conhecida por ser uma região com focos de tensão, mas está próxima da área curda do Irã e tem presenciado conflitos ocasionais entre rebeldes curdos e forças de segurança nos últimos anos.

O suposto atentado acontece no dia seguinte que o site conservador iraniano Mashreghnews afirmar que forças de segurança prenderam um grupo terrorista em Teerã sob a acusação de planejar o assassinato de membros do governo.

Durante um discurso a expatriados iranianos em Teerã nesta semana, Ahmadinejad disse que acreditava ser alvo de um plano de assassinato de Israel. "Os estúpidos sionistas contrataram mercenários para me assassinar", disse.

Em maio, Ahmadinejad foi ironizado por um grupo que pedia empregos em Khorramshahr, no sul do Irã, enquanto fazia um discurso similar ao de hoje. Em 2005, criminosos assassinaram um guarda-costas de Ahmadinejad durante sua vitíma à província de Sistan e Baluchistão, no sudeste do país. O presidente iraniano já havia deixado o local quando o crime ocorreu.

* Com as agências internacionais 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos