Crise faz aumentar desemprego e disputa por trabalho, mas não desanima brasileiros em Portugal

Especial para o UOL Notícias<br>Em Lisboa

  • Silvio Cioffi/ Folhapress - 25.out.1999

    Homem se apresenta como estátua viva na rua Augusta, no centro de Lisboa

    Homem se apresenta como estátua viva na rua Augusta, no centro de Lisboa

O Instituto Nacional de Estatística (INE) de Portugal divulgou em agosto que o desemprego neste país continua em níveis recordes. Com uma taxa de 10,6% no segundo trimestre deste ano (a mesma que nos primeiros três meses do ano), estima-se que, atualmente, 589,8 mil pessoas estejam sem emprego em Portugal. E esta é uma realidade que atinge tanto portugueses, quanto estrangeiros, como os brasileiros.

Segundo dados do Relatório de Imigração Fronteiras e Asilo (RIFA) do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) de Portugal, em 2008, dos 440.277 estrangeiros que viviam legalmente no país, 106.961 eram brasileiros. Em 2009, o número de estrangeiros nestas mesmas condições chegou aos 454.191, e destes, 116.220 eram brasileiros, ou seja, 25% da população estrangeira. A estes números, no entanto, não incluem aqueles que ainda continuam ilegais em Portugal.

Mas se em dezembro de 2008, segundo dados do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) de Portugal haviam registrados 6.909 brasileiros desempregados, dados mais recentes, que datam de julho de 2010, mostram que este número aumentou para 10.781. Números do Instituto da Segurança Social (ISS) de Portugal (o equivalente a Previdência Social no Brasil) também revelam que, se em dezembro de 2008, 4.482 brasileiros recebiam algum tipo de subsídio de desemprego, em junho de 2010 este número subiu para 8.171, um aumento de quase 50%.

Para o jornalista e estudante brasileiro Daniel Meirinho, o problema que os imigrantes sentem em Portugal é que, “o português disputa postos de trabalho com os imigrantes. Coisa igual não se vê no resto da Europa. Aqui, os postos são bem delimitados para imigrantes e nacionais.”

Na cidade de Albufeira, região do Algarve (sul de Portugal), vive a brasileira Cássia Ferreira. Cássia é fotógrafa, está em Portugal há pouco mais de dois anos e trabalha meio período em uma loja. “No resto do tempo, faço alguns trabalhos como freelancer”, revelou. Mas também confessou que “para quem vem de fora é complicado pois, como em qualquer lugar, é preciso conhecer bem o mercado, ser conhecido e ter uma boa rede de contatos”. “A maioria dos brasileiros que conheço têm pouca qualificação. Por esta razão estão trabalhando na área de construção, de limpeza, em restaurantes, etc. A facilidade em conseguir emprego depende também do fato de se estar ou não legalizado e de se dominar idiomas, pois a região onde moro, vive basicamente do turismo”.

Apesar de todos os problemas que encontra em Portugal e afirmar já ter sido excluída de uma seleção de emprego por não ser portuguesa, Cássia insiste em permanecer no país, “até tenho trabalho garantido no Brasil, mas não voltaria pois trouxe para cá os meus filhos, eles estão em idade escolar, e não penso que seja saudável ficar 'indo e vindo”. E como considero um bom lugar para se viver, com melhor qualidade de vida e melhores oportunidades para eles, ficamos por aqui.”

Quem também não pretende sair de Portugal é a advogada brasileira Euzali Pires, “identifico-me com a cultura portuguesa, com a forma de ser dos portugueses e gosto da qualidade de vida, principalmente da segurança, que este país ainda oferece. Um pobre em Portugal tem um nível de vida muito melhor do que no Brasil”, disse.

Euzali já está em Portugal há seis anos e considera que, “a vida está difícil tanto em Portugal, quanto no Brasil, por isso temos que considerar os objetivos e qualificação de cada pessoa”. E exemplificou: “a mulher brasileira que chega em Portugal encontra facilmente trabalho em casa de particulares para fazer limpeza ou cuidar de idosos. Eu mesma, quando cheguei, fiz este tipo de trabalho para me sustentar”.

Para ela, o mercado de trabalho português talvez ofereça hoje menos oportunidades do que há dois ou três anos, “mas acho que Portugal ainda tem muito a oferecer aos brasileiros, caso contrário você não veria tantos brasileiros desembarcando no aeroporto da Portela (em Lisboa), e tantos outros esperando por estes que estão chegando. É só entrar num restaurante para perceber que os brasileiros ainda estão aqui, que continuam a chegar e a encontrar trabalho”, disse. Por isso, Euzali não acha que o mercado faça diferença entre nacionais e estrangeiros, “acredito sim, nas diferenças quanto a idade, isso sim é um fato”, sublinhou.

Daniel está há três anos em Lisboa e já trabalhou como garçom, carteiro, promotor em supermercado, entrevistador de rua, entregador de panfletos entre outros empregos. No momento, conta com uma bolsa de estudos para desenvolver o seu doutorado e revelou que, se conseguisse um trabalho no Brasil, iria embora, “é melhor ser jornalista no Brasil, e fazer o que amo, do que ser garçom em Portugal, ou em qualquer parte do mundo”, disse.

Já a brasileira Iraci Martins está em Portugal há dois anos e nunca trabalhou. Ela conta que casou com um cidadão português e foi viver numa “pequenina vila” do Concelho de Nisa, região do Alentejo. “Já procurei trabalho sim, mas na zona onde vivo é complicado, ainda mais agora que estou grávida”, salientou. Além disso, o fato de já ter 35 anos dificulta ainda mais a inserção no mercado de trabalho. “No Brasil eu era gerente de vendas, aqui, dependo do meu marido”, disse. Iraci disse que pretende continuar em Portugal devido a vida profissional do marido. No entanto, não esconde que se conseguisse um trabalho que “valesse a pena” no Brasil, gostaria de voltar para estar próxima da família, dos amigos e da “nossa pátria”. “Penso que, neste momento, a situação do mercado de trabalho no Brasil está melhor do que em Portugal”, afirma.

Quem também vive há dois anos em Portugal, e também está desempregado, é o brasileiro Rui Monteiro, que vive em Santa Maria da Feira, região norte de Portugal. Monteiro, que era empresário no Brasil, sobrevive de suas economias. Disse que ainda não sabe se irá continuar em Portugal, porque como já tem mais de 40 anos, vê o mercado de trabalho ainda mais restrito para quem tem essa idade. Apesar de ouvir notícias positivas sobre a situação do mercado de trabalho no Brasil, confessa que, em conversa com familiares, “eles não dizem estar tão boa como a imprensa afirma”.

Mas se, no que diz respeito ao mercado de trabalho em Portugal, os problemas que afetam os portugueses são os mesmos que afetam os imigrantes, não se pode ignorar o fato de que a comunidade imigrante é sempre mais vulnerável.

A advogada brasileira lembrou que, a maioria dos imigrantes muda de país por uma única razão: a financeira. “É um povo que vem para ganhar dinheiro, muitos fazem uma economia apertada, para depois voltarem ao seu país de origem e abrirem o seu próprio negócio. E muitos querem voltar com a autorização de residência portuguesa para, no caso das coisas não correrem bem na sua terra natal, poderem regressar à Portugal”.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos